Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rússia ataca 5 estações ferroviárias na Ucrânia após visita dos EUA

Bombardeios aconteceram momentos após encontro de autoridades dos Estados Unidos com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenski

Por Da Redação Atualizado em 25 abr 2022, 12h02 - Publicado em 25 abr 2022, 11h48

Estações ferroviárias no centro e no oeste da Ucrânia foram bombardeadas pela Rússia nesta segunda-feira, 25. Os ataques, perto da fronteira com a Polônia, ocorreram poucas horas após uma visita de autoridades dos Estado Unidos à Kiev e foram interpretados como um aviso do Kremlin para os americanos e seus aliados.

Mísseis russos atingiram cinco estações nas regiões de Lviv, Rivne, Vinnyista e Kiev e na cidade de Krasne – a 110 quilômetros da fronteira com a Polônia, informou a mídia ucraniana. Alexander Kamyshin, chefe do serviço ferroviário da Ucrânia, disse que pelo menos 16 trens de passageiros foram retidos e acrescentou que houve vítimas, sem fornecer detalhes.

“As tropas russas continuam a destruir sistematicamente a infraestrutura ferroviária”, declarou em comunicado.

O sistema ferroviário ucraniano – um dos maiores do mundo – tornou-se uma engrenagem vital para a resistência do país contra a Rússia, transportando civis para fora de zonas de conflito e suprimentos médicos para as linhas de frente.

No início deste mês, pelo menos 39 pessoas, incluindo cinco crianças, foram mortas depois que as forças russas realizaram um ataque com mísseis em uma estação ferroviária em Kramatorsk, no leste da Ucrânia.

O bombardeio desta segunda-feira ocorreu horas após o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e o secretário de Defesa, Lloyd Austin, viajarem de trem para Kiev e se encontrar com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenski. É a visita mais importante de representantes americanos desde o início da invasão russa na Ucrânia.

Por questões de segurança, a reunião foi pouco divulgada por ambos os governos. Especula-se que o assunto da reunião tenha sido o fornecimento de armas por parte dos Estados Unidos para os ucranianos.

Zelensky se limitou a fazer um comentário genérico nas redes sociais sobre a reunião com a delegação estadunidense. “Sou agradecido ao presidente Joe Biden e o povo dos EUA pela liderança e suporte à Ucrânia. Hoje, os ucranianos estão unidos e fortes, e a amizade e parceria entre Ucrânia e Estados Unidos está mais forte do que nunca”, afirmou o presidente no Twitter.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)