Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rússia anuncia tomada de usina em Mariupol após rendição de combatentes

A região estava cercada por tropas russas desde o início do confronto, há quase três meses

Por Matheus Deccache Atualizado em 20 Maio 2022, 20h24 - Publicado em 20 Maio 2022, 17h22

O ministro de Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, anunciou nesta sexta-feira, 20, que as forças do país assumiram o controle total da usina siderúrgica em Mariupol, último reduto da resistência ucraniana na cidade, cercada há quase três meses. 

De acordo com Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa, Shoigu informou ao presidente Vladimir Putin que a siderúrgica Azovstal foi “completamente liberada” dos combatentes ucranianos, informação ainda não confirmada pelo governo da Ucrânia

+ Sobe para 1.730 número de soldados ucranianos que se renderam em Mariupol

A agência de notícias estatal russa RIA Novosti informou que 2.439 combatentes ucranianos escondidos no local se renderam desde a última segunda-feira, 16, incluindo mais 500 nas últimas 24 horas.

A siderúrgica foi palco de intensos conflitos ao longo das últimas semanas. A resistência, composta de um grupo cada vez menor de ucranianos, foi alvo de uma série de ataques russos, até que o governo ucraniano ordenou aos soldados que abandonassem a defesa para salvar suas vidas. 

O controle completo de Mariupol dá a Putin uma vitória extremamente importante, principalmente depois do fracasso em tomar a capital ucraniana, Kiev, fazendo com que o presidente mudasse o foco da guerra para o leste, onde estão as regiões separatistas de Donetsk e Luhansk. 

De acordo com analistas militares, a captura da cidade portuária tem mais importância simbólica do que, de fato, estratégica, uma vez que já estava sob controle do Exército russo e a maioria das forças na região já haviam sido realocadas para outros focos do confronto. 

+ Cerco em usina de Mariupol termina com retirada de militares ucranianos

O objetivo de conquistar Mariupol se dá pelo fato de a região servir como um corredor terrestre entre a Rússia e a Crimeia, anexada pelos russos em 2014, além de privar a Ucrânia de um importante ponto portuário. 

Continua após a publicidade

A cidade tem sido alvo constante do Exército russo desde o início da guerra, em 24 de fevereiro, e se tornou símbolo dos horrores do confronto. Estima-se que cerca de 100.000 moradores, de um total de 450.000, permaneçam no território, muitos deles em situação precária de falta de água, energia, aquecimento e alimento. 

Essa não é a primeira vez que o governo russo anuncia a captura de Mariupol. Em 21 de abril, em uma aparição conjunta com Shoigu, Putin declarou que a “conclusão do trabalho de combate de libertação é um sucesso”. Naquele momento, o chefe de Estado russo ordenou que os militares selassem o complexo para que “nem mesmo uma mosca pudesse passar”.

Após uma série de bombardeios e ataques, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse na última segunda-feira que a retirada de suas tropas da siderúrgica foi feita para salvar a vida dos combatentes.

“A Ucrânia precisa de heróis ucranianos para estar viva. Este é o nosso princípio”, disse. 

+ Com pacotes dos EUA e G7, Ucrânia acumula US$ 88 bi em ajuda militar

O complexo de Azovstal cobre 11 quilômetros quadrados com cerca de 24 quilômetros de túneis e bunkers, que serviram para retirar uma série de civis durante a abertura de um dos corredores humanitários. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)