Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Rússia anuncia cooperação militar com EUA sobre crise síria

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, advertiu que Washington colocaria fim à cooperação na Síria, a menos que Moscou detivesse os ataques a Alepo

Por Da redação Atualizado em 28 set 2016, 22h34 - Publicado em 28 set 2016, 22h08

Moscou está pronta para cooperar com os Estados Unidos na crise síria, anunciou o Ministério russo da Defesa, nesta quarta-feira, pouco depois de Washington ameaçar suspender sua cooperação.

Por determinação do presidente Vladimir Putin, o Exército russo está preparado para enviar seus “especialistas” militares a Genebra para uma “retomada das consultas” com seus colegas americanos, visando encontrar soluções para a “normalização” da situação em Alepo e na Síria, em geral, segundo o Ministério da Defesa.

“Depois de uma conversa por telefone entre o ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, e o secretário de Estado, John Kerry, o presidente (Vladimir Putin) encarregou o Ministério das Relações Exteriores e o da Defesa que estejam prontos para continuar trabalhando de maneira conjunta com nossos sócios americanos no tema da Síria”, declarou o alto chefe do Estado-Maior russo, general Viktor Poznijir.

LEIA TAMBÉM:
Dois hospitais são bombardeados em Alepo, na Síria
‘Barbárie’: Governo da Síria lança ataque terrestre contra Alepo

No telefonema a Lavrov nesta quarta, Kerry advertiu que Washington colocaria fim à cooperação na Síria, a menos que Moscou detivesse os ataques a Alepo. O secretário de Estado citou a criação de um “centro conjunto” de coordenação militar previsto pelo acordo firmado em Genebra entre Rússia e Estados Unidos em 9 de setembro passado, mas que foi pelos ares dez dias depois.

Continua após a publicidade

Moscou deveria convencer seu aliado, o presidente sírio, Bashar Assad, a controlar suas forças militares e pôr fim aos bombardeios contra civis, enquanto Washington se comprometeu com persuadir os rebeldes a se afastar do grupo extremista Fateh al-Sham, ex-aliado da Al Qaeda, antes conhecido como Frente Nusra.

Hospitais bombardeados

Nesta quarta-feira, dois hospitais do leste de Alepo foram bombardeados. A organização Médicos Sem Fronteiras informou que os ataques mataram pelo menos dois pacientes e feriram outros dois funcionários. Os ataques da última semana à cidade síria, após o fim do cessar-fogo, já deixaram mais de 400 mortos e centenas de feridos.

“Essa é uma guerra dirigida aos trabalhadores sanitários da Síria”, denunciou Ban Ki-moon, lembrando que o Direito Internacional obriga a proteger o pessoal e as instalações médicas. “Os ataques deliberados contra hospitais são crimes de guerra”, acrescentou.

Especialistas afirmam que esses ataques deliberados do governo sírio e seu aliado russo buscam aniquilar as infraestruturas nos setores sitiados. Para Diana Semaan, da Anistia Internacional, esses bombardeios continuam forçando os 250.000 habitantes dos setores rebeldes a fugir para áreas sob controle do governo.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade