Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Rússia adverte Ucrânia e UE sobre acordo de livre comércio

Moscou afirma que o acordo entre Kiev e europeus vai prejudicar a economia russa. No leste ucraniano, conflitos matam nove soldados do Exército

Por Da Redação 29 set 2014, 08h52

A Rússia fez uma nova advertência nesta segunda-feira de que irá retaliar se a União Europeia (UE) e a Ucrânia levarem adiante as medidas para implementar um acordo de livre comércio. O governo ucraniano e a UE concordaram este mês em adiar a implementação do acordo até 31 de dezembro de 2015, depois que a Rússia ameaçou impor tarifas de importação a mercadorias ucranianas se o pacto com os europeus for adotado.

Moscou argumenta que sua economia seria prejudicada pelo acordo de livre comércio porque ele levaria a Ucrânia a exportar mercadorias europeias mais baratas para o mercado russo, afetando os produtos locais. Segundo a agência de notícias russa RIA Novosti, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a Rússia estava “pronta para tomar medidas de retaliação se acordo for levado adiante”. Ele não deu detalhes das medidas possíveis.

Leia também

Kiev e Moscou se reúnem para definir zona desmilitarizada na Ucrânia

Otan vê retirada significativa de tropas russas da Ucrânia

Kiev denuncia novas violações do cessar-fogo

Continua após a publicidade

Kiev recomenda prontidão do Exército para batalha, apesar da trégua

A União Europeia e a Rússia estão em desacordo sobre a Ucrânia, onde o presidente que era apoiado por Moscou foi deposto em fevereiro, após protestos violentamente reprimidos, três meses depois de ele ter suspendido esse mesmo acordo comercial com a UE e anunciado que iria impulsionar as relações com a Rússia. A UE espera que o adiamento da implementação do acordo de livre comércio lhe dê tempo para amenizar as preocupações da Rússia sobre o assunto. A Rússia disse que quer negociações de três vias para emendas ao acordo.

Mortes no leste – Nove soldados ucranianos morreram e outros 27 ficaram feridos nas últimas 24 horas no leste da Ucrânia apesar da trégua decretada entre as forças de Kiev e os separatistas pró-Rússia, informou nesta segunda o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional e Defesa ucraniano, Andrei Lisenko. Sete soldados morreram pelo impacto de um míssil lançado pelos rebeldes contra um blindado das tropas ucranianas no aeroporto de Donetsk.

O centro de imprensa da operação antiterrorista desdobrada por Kiev contra os rebeldes no leste do país denunciou reiterados ataques com tanques durante o domingo contra as posições ucranianas no aeroporto de Donetsk, controlado desde o início da campanha militar pelas tropas ucranianas e rodeado pelos separatistas. Além disso, soldados ucranianos morreram em combates na cidade de Schastie, na vizinha região de Lugansk.

As autoridades municipais de Donetsk, cidade habitada por um milhão de pessoas antes do começo do conflito armado há quatro meses, confirmou a morte de três civis por fogo de artilharia. Transcorrido quase um mês desde a declaração da trégua, os embates entre os dois grupos continuam se enfrentando, embora com menos intensidade, segundo constata a missão de observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE). De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 3.000 pessoas morreram desde abril no leste ucraniano.

(Com agências Reuters e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade