Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rússia acusa Ucrânia de preparar falsas evidências de crimes de guerra

Sem apresentar evidências, Ministério da Defesa russo afirmou que EUA e Reino Unido ajudam Kiev a montar narrativa

Por Da Redação Atualizado em 11 abr 2022, 15h51 - Publicado em 11 abr 2022, 15h47

O governo da Rússia disse nesta segunda-feira (11) que os Estados Unidos e o Reino Unido estão ajudando a Ucrânia a preparar falsas alegações sobre supostos crimes de guerra de modo a difamar o país perante à comunidade internacional. 

Desde que as tropas russas deixaram as regiões no entorno da capital, Kiev, os ucranianos, assim como veículos independentes da mídia internacional, têm divulgado imagens que mostram cadáveres de civis que teriam sido mortos pelo Exército russo ao longo da ocupação. 

+ Adesão de Suécia e Finlândia à Otan não irá estabilizar Europa, diz Rússia

Segundo o ministro da Defesa da Rússia, o governo da Ucrânia está recebendo apoio dos Estados Unidos para preparar a narrativa de que tropas russas estão atacando civis ucranianos, semeando falsas evidências de violência. 

Desde o início do conflito, em 24 de fevereiro, Kiev acusa o Kremlin de atacar a infraestrutura civil no país, principalmente na cidade de Mariupol, onde há relatos de ataques a um teatro que servia de abrigo, uma maternidade e prédios residenciais. O governo russo nega veementemente ter atacado qualquer alvo não militar. 

“Os americanos, que têm muitos anos de experiência nesse ramo, continuam sua campanha para criar “falsas evidências” contra Moscou”, disse o ministério. 

Em Bucha, ao norte de Kiev, autoridades ucranianas disseram ter encontrado centenas de civis mortos em valas comuns e nas ruas da cidade. Segundo o governo local e de acordo com imagens difundidas por veículos internacionais, os corpos apresentavam sinais de terem sido sumariamente executados. As vítimas estariam trajando roupas civis e muitas estavam com as mãos atadas.

Continua após a publicidade

O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (Acnudh), que está revisando vídeos e materiais recebidos sobre a situação na cidade, declarou que análises preliminares “parecem sugerir” um assassinato de civis de forma deliberada, de acordo com a porta-voz Liz Throssell. 

Segundo Throssell, as imagens em que corpos aparecem com as mãos amarradas ou queimadas poderiam indicar que os agressores visavam deliberadamente essas vítimas, o que poderia elevar a gravidade dessas violações aos direitos humanos cometidas durante a invasão à Ucrânia, se os fatos forem confirmados.

“A alta comissária Michelle Bachelet já falou de possíveis crimes de guerra no contexto de bombardeios a infraestruturas civis, mas isso aparenta ser um assassinato direito de civis”, disse a porta-voz, que admitiu haver a necessidade de comprovar as imagens. “Em incidentes específicos, são necessárias análises forenses, monitoramento e coleta de informações, para determinar quem fez o quê”. 

Poucos dias depois da revelação das mortes em Bucha, a Assembleia Geral das Nações Unidas votou pela suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos, sediado em Genebra, citando graves violações.

Para a Rússia, no entanto, serviços da inteligência dos EUA e do Reino Unido seguem ajudando a Ucrânia a forjar novas alegações falsas de supostos crimes de guerra cometidos no noroeste do país, embora não tenha fornecido nenhuma evidência. 

+ Economia da Ucrânia encolherá pela metade neste ano, estima Banco Mundial

“Novas falsas provocações encenadas acusando as nossas Forças Armadas de tratamento supostamente cruel da população da Ucrânia estão sendo preparadas pelo regime de Kiev sob a liderança dos serviços especiais britânicos no território da região de Sumy”, acrescentou o ministério. 

Segundo o órgão, jornalistas ocidentais foram convidados a visitar a região para “conduzir as filmagens de tramas encenadas” e que publicações sobre isso serão feitas em breve.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)