Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Risco de não agir na Síria é maior que o de agir’, diz Kerry

Em Londres, secretário de Estado americano defendeu resposta ao uso de armas químicas no país. E acrescentou: Assad evitará ataque se entregar armas

O secretário de Estado americano, John Kerry, disse nesta segunda-feira que o risco de não agir na Síria é maior que o de agir. Ele também afirmou que o regime do presidente Bashar Assad poderia evitar um ataque caso entregasse todas as armas químicas à comunidade internacional. No entanto, Kerry acrescentou que Assad não deve tomar essa medida.

Leia também:

Obama insiste na necessidade de atacar Síria mesmo com dúvidas do Congresso

Assad nega estar por trás de ataque químico

“Ele poderia entregar cada uma de suas armas químicas à comunidade internacional na próxima semana”, disse Kerry a jornalistas em Londres. “Entregar tudo, sem demora, e permitir a contabilidade completa e total (das armas), mas não parece que ele fará isso.”

Leia também:

EUA: 11 países do G20 apoiam ‘reação firme’ à crise síria

Alemanha endossa ‘reação firme’ à crise síria

Kerry afirmou, ainda, que a solução para o conflito na Síria é política e diplomática, não militar. “Não há solução militar, não temos ilusões sobre isto”, disse. Ainda assim, o secretário de Estado defendeu uma resposta ao regime de Assad pelo suposto ataque com armas químicas contra civis em 21 de agosto perto de Damasco.

“O que vamos fazer? Dar as costas? Observar um minuto de silêncio?”, questionou Kerry. “O risco de não agir é maior que o de agir”, completou.

Leia também:

Oposição síria denuncia morte de quase 11 mil crianças desde início da guerra

O secretário de estado participou da coletiva de imprensa ao lado do chefe da diplomacia britânica, William Hague. O americano disse que a relação entre Grã-Bretanha e Estados Unidos permanece forte como sempre, apesar de o Parlamento britânico ter decidido não participar de uma eventual ação militar contra a Síria. Hague ofereceu “pleno apoio diplomático” a Kerry.

Rússia – Também nesta segunda-feira, o chanceler russo, Serguei Lavrov, afirmou que a Síria está aberta a negociações de paz e um eventual ataque ocidental contra Damasco desencadearia uma “explosão do terrorismo” na região, além de uma nova onda de refugiados. A declaração foi feita após reunião entre Lavrov e seu homólogo russo, Walid al-Moualem, em Moscou. “A possibilidade de uma solução política segue de pé”, disse Lavrov.

Antes da reunião, al-Moualem disse que transmitiu uma mensagem de agradecimento do presidente sírio ao colega russo, Vladimir Putin, por seu respaldo à Síria.

(Com agências AFP e Reuters)