Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Revoltada com a escassez, população de cidade venezuelana saqueia caminhões com comida

Os protestos aconteceram em Sinamaica, no noroeste do país. Depois de saquear os caminhões, os manifestantes tentaram atear fogo à sede da Prefeitura local

Por Da Redação 6 ago 2015, 07h56

Pelo menos dois caminhões que transportavam comida na cidade de Sinamaica, no noroeste da Venezuela e próxima à fronteira com a Colômbia, foram saqueados por um grupo de pessoas, informa nesta quinta-feira a imprensa local. O incidente aconteceu na noite desta quarta e, depois que os caminhões foram saqueados, manifestantes foram protestar em frente à Prefeitura da cidade e tentaram atear fogo ao edifício.

Segundo o jornal local Panorama, porta-vozes da prefeitura informaram que cinco escritórios foram danificados, mas ninguém ficou ferido. O jornal El Nacional, um dos poucos diários nacionais que segue fazendo uma cobertura crítica ao chavismo, informa que o saque aos dois caminhões de transporte de comida aconteceu como medida de protesto “contra a escassez e o racionamento de alimentos” que assola a cidade, que vive em “condições deploráveis, passando vários dias sem energia elétrica e sem conexão à internet”.

Leia também

Venezuela limita candidaturas da oposição

Empresa faz paródia sobre o ‘Chávez-passarinho’ e irrita Maduro

Continua após a publicidade

Venezuela: Saques em supermercados deixam uma pessoa morta e dezenas presas

O saldo da expropriação de Maduro: 19 cidades sem alimentos e 2.000 desempregados

As autoridades oficiais não se pronunciaram sobre estes novos distúrbios. Não é a primeira vez que a população se revolta pela fala de alimentos. Desde o mês passado, eventos semelhantes aconteceram em outras localidades da Venezuela e, em uma oportunidade, um homem de 21 anos acabou sendo morto na cidade de San Félix, no sudeste do país, em 31 de julho. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse no mesmo dia que a morte deste jovem foi um evento “planejado” executado pela “direita maltratada” que, segundo ele, recebe ordens dos Estados Unidos.

A Venezuela atravessa uma grave crise econômica com desabastecimento de produtos básicos, inflação fora de controle e perda abrupta do poder de consumo da população. As principais críticas do lado opositor partem da aliança partidária Mesa da Unidade Democrática (MUD), que convocou para 8 de agosto uma “jornada nacional de protesto contra a fome, o crime organizado e pela liberdade”. Durante o último ano a Venezuela passou por frequentes ciclos de escassez e desabastecimento, o que provocou longas filas nas lojas, com as pessoas disputando principalmente produtos alimentícios e artigos de higiene pessoal.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)