Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Revista do Estado Islâmico traz anúncios de venda de reféns

O refém norueguês Ole Johan Grimsgaard Ofstad, de 48 anos, e o chinês Fan Jinghui, de 50 anos, estampam os anúncios. 'Oferta é por tempo limitado', informa o texto

Em mais uma estratégia de propagação do terror, o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) publicou na revista Dabiq, mantida pelos próprios jihadistas, anúncios publicitários para venda de reféns. Nos anúncios, o grupo sunita que controla regiões da Síria e do Iraque “vende” o refém norueguês Ole Johan Grimsgaard Ofstad, de 48 anos, e o chinês Fan Jinghui, de 50 anos, destacando que esta é “uma oferta por tempo limitado”.

No texto, o EI também afirma que, caso ninguém se interesse pela aquisição, os reféns serão executados. Abaixo das fotos de cada um dos reféns, está a legenda: “Foi abandonado pelo seu governo, que não deu o melhor para comprar sua liberdade. Quem quiser pagar o resgate para sua libertação, pode entrar em contato por telefone”. O número disposto no anúncio, porém, foi considerado falso por um site especializado em registros de chamadas.

Leia também

Estado Islâmico toma último campo de petróleo do governo da Síria

Navio boliviano foi flagrado com carregamento de armas para o Estado Islâmico

As fotografias retratam os reféns de vários ângulos e possuem um perfil com informações pessoais. De acordo com o anúncio, Ofstad nasceu em Porsgrunn e tem graduação em Ciências Políticas. Já Jinghui, de Pequim, é um consultor freelancer. Em um comunicado, a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, confirmou que há um cidadão do país sequestrado na Síria. “Nossos objetivos estão centrados em trazer nosso compatriota de volta”, disse.

A “oferta” foi publicada em páginas que antecedem uma reportagem sobre o papa Francisco, na qual o líder da Igreja Católica é classificado como “o Papa das Cruzadas”, em referência aos militares de inspiração cristã que partiram da Europa para conquistar a Terra Santa entre os séculos XI e XIII. A revista Dabiq é produzida e editada pelo EI em inglês. Ela é considerada um dos instrumentos de comunicação usados pelo grupo para difundir mensagens de terror. Os jihadistas também costumam adotar métodos de execução, como decapitação, nas áreas que dominam na Síria e no Iraque.

(Com Ansa)