Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Republicanos pedem a Obama que retire indicação ao Pentágono

Grupo de senadores contrários à nomeação de Chuck Hagel diz que cargo de secretário de Defesa deve ser ocupado por alguém que não provoque divisões

Por Da Redação 21 fev 2013, 19h22

Um grupo de 15 senadores republicanos entregou nesta quinta-feira uma carta ao presidente Barack Obama em que pedem que ele desista da nomeação do ex-senador Chuck Hagel como secretário de Defesa dos Estados Unidos. Os parlamentares alegam que é necessário um consenso em torno da escolha do comandante do Pentágono, e que a nomeação de Hagel seria “sem precedentes” devido à resistência dos republicanos. “Nos últimos cinquenta anos, nenhum secretário de Defesa foi confirmado e assumiu o posto com mais de três senadores votando contra ele”, diz a carta, segundo o jornal The New York Times. “O ocupante desse cargo crítico deve ser alguém cuja candidatura não seja nem controversa nem provoque divisões”.

Os senadores citaram diversos pontos de objeção ao indicado de Obama, avaliando como fraco o desempenho de Hagel na sabatina e classificando de perigosa sua postura nas negociações sobre o programa nuclear do Irã. Questionaram ainda a competência do ex-senador republicano para lidar com as responsabilidades do cargo. Na última semana, os republicanos conseguiram adiar a votação sobre a nomeação de Hagel no Senado.

Disputa – Enquanto os senadores republicanos reforçam sua posição contrária à oficialização de Hagel, os democratas trabalham para confirmar sua nomeação na próxima terça-feira. A expectativa dos partidários de Obama é de que mesmo republicanos que votaram contra o ex-senador na última semana mudem seus votos. Alguns republicanos, incluindo alguns dos maiores críticos de Hagel, como John McCain, do Arizona, já disseram que não pretendem apresentar novas objeções.

A maioria no Senado é democrata (55 assentos), o que deverá facilitar a ratificação de Hagel no cargo. Além disso, republicanos como Richard Shelby, do Alabama, Thad Cochran, do Mississipi, e Mike Johanns, do Nebraska, anunciaram que vão votar pela confirmação da indicação.

Republicano – Hagel, de 66 anos, é veterano da Guerra do Vietnã e foi senador por Nebraska. Sua aproximação com Obama, então senador por Illinois, teria se dado em 2008, quando os dois viajaram ao Afeganistão. A atitude contestadora de Hagel levanta questionamentos entre os ex-colegas republicanos – o partido já questionou o comprometimento do indicado com a posição dos Estados Unidos em relação a Israel e ao Irã. Isso porque Hagel já criticou o lobby pró-Israel no Congresso e se opôs a sanções a Teerã.

No final de janeiro, durante uma sabatina na Comissão de Forças Armadas do Senado, Hagel defendeu que os Estados Unidos utilizem todas as ferramentas ao seu alcance para proteger seu povo e se manter como a maior força militar do mundo.

Também disse estar totalmente comprometido com “o objetivo do presidente de prevenir que o governo iraniano obtenha uma arma nuclear”. “Para isso, todas as opções devem estar sobre a mesa”, sustentou. Também prometeu trabalhar ao lado de Israel e seus aliados e destacou que apoia o sistema de proteção antimísseis Domo de Ferro.

Se confirmado no cargo, Hagel substituirá Leon Panetta no comando do Pentágono.

Continua após a publicidade
Publicidade