Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Renúncia de Berlusconi abre crise de governo na Itália

Por Da Redação 12 nov 2011, 19h00

Carmen Postigo.

Roma, 12 nov (EFE).- O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, apresentou neste sábado sua renúncia ao presidente Giorgio Napolitano, abrindo oficialmente uma crise no governo que levará amanhã o chefe de Estado a realizar uma rodada de consultas com alguns dos principais políticos do país.

Berlusconi, que está em seu quarto mandato como primeiro-ministro, cumpriu sua promessa de renunciar após a aprovação, de forma definitiva na Câmara dos Deputados, da Lei de Orçamentos de 2012, que inclui as reformas econômicas exigidas pela União Europeia à Itália.

O premiê italiano comunicou primeiro sua renúncia aos ministros que integram seu governo, e ao sair da sede do Executivo, por uma porta secundária, foi hostilizado por uma multidão que estava do lado de fora.

‘Isto é algo que me entristece profundamente’, afirmou.

A rapidez com a qual aconteceu a aprovação das reformas e a transição política foram acompanhadas de perto por França e, sobretudo, a Alemanha, que esperam que a saída de Berlusconi acalme os mercados, atualmente em uma situação catastrófica.

Napolitano começará amanhã uma rodada de consultas para determinar se será formado um governo de tecnocratas, à frente do qual estaria o economista Mario Monti, ou se convocará eleições antecipadas.

Monti, de 68 anos, foi designado senador vitalício na última quarta-feira pelo chefe do Estado, o que foi interpretado como um respaldo à sua candidatura, que também reúne apoios internacionais, como o do presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o da chanceler alemã, Angela Merkel.

Continua após a publicidade

Napolitano se reunirá no começo da manhã com os presidentes do Parlamento – Renato Schifani, do Senado, e Gianfranco Fini, da Câmara dos Deputados. Depois, ouvirá a opinião de seus antecessores no cargo, Oscar Luigi Scalfaro (1992-1999) e Carlo Azeglio Ciampi (1999-2006), e se encontrará com representantes dos partidos políticos.

Até o momento e após muitas idas e vindas, todas as forças políticas estão a favor de um governo técnico, algumas com condições, como é o caso do partido Itália dos Valores (IDV), de oposição.

Na última reunião de Berlusconi com sua legenda, o Povo da Liberdade (PDL), antes de apresentar sua renúncia, o partido informou que daria voto de confiança a um governo liderado por Monti, mas pôs como condição que ‘seu programa de governo esteja circunscrito apenas à aprovação dos 29 pontos’ contidos no documento com as reformas prometidas à UE para reduzir a dívida.

Membros do PDL acrescentaram que esperam que se trate de um governo com mandato breve, formado por tecnocratas, e que Monti e os novos ministros não sejam candidatos nas próximas eleições.

A Liga Norte rejeitou plenamente a possibilidade de um governo técnico com Monti à frente, e o líder do partido, Umberto Bossi, anunciou que a legenda, nesse caso, passará à oposição.

Caso aposte pela opção tecnocrata, segundo todos os indícios, Napolitano encarregaria Mario Monti para formar um Executivo cuja lista pode ser apresentada neste domingo para acalmar os mercados na segunda-feira. O novo governo precisaria ainda receber o consentimento na Câmara dos Deputados e no Senado nos próximos dias.

A saída de Berlusconi, que será julgado por corrupção, abuso de poder e incitação à prostituição de menores, foi comemorada em Roma por milhares de pessoas, que se reuniram nos arredores do palácio do Governo e depois no palácio Quirinale, sede da Presidência.

Manifestantes levaram cartazes com expressões como ‘Obrigado, Giorgio’, dedicada a Napolitano, e ‘Finalmente!’, e gritaram palavras de ordem como ‘demissões’ e ‘vergonha’, dirigidas à classe política em geral. Até mesmo uma orquestra se reuniu na praça onde fica o palácio Quirinale para entoar o ‘Aleluia’, de Händel. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade