Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Religião não deve justificar a violência, diz papa na África

Essa é a primeira visita do pontífice ao continente africano. Em missa no Quênia, ele lembrou de atentados terroristas que deixaram centenas de mortos no país

Por Da Redação 26 nov 2015, 08h22

O papa Francisco advertiu nesta quinta-feira que a religião não deve ser utilizada “para justificar o ódio e a violência”, e lamentou a radicalização dos jovens em seu nome para “rasgar o tecido social”. O pontífice fez seu discurso durante um encontro inter-religioso e ecumênico realizado nesta quinta-feira em Nairóbi, no Quênia, o primeiro destino de sua viagem ao continente africano.

“As religiões jogam um papel essencial na formação das consciências, mas o nome de Deus não deve ser usado jamais para justificar o ódio e a violência”, disse o papa. Ele mencionou quatro graves atentados no Quênia realizados pelo grupo jihadista Al Shabab nos últimos dois anos: um atentado ao centro comercial Westgate, com 67 mortos, dois no povoado de Mandera, com 64 mortos, e um na Universidade de Garissa, com 148 mortos.

Leia também:

Papa Francisco vai lançar primeiro livro em janeiro

Continua após a publicidade

Papa promete ajuda a refugiados que chegam à Europa

O pontífice afirmou que a relação entre as diferentes religiões “impõe desafios e dúvidas”, mas que o diálogo inter-religioso “não é um luxo, e sim algo fundamental de que o mundo precisa cada vez mais”.

Violência – Também nesta quinta-feira, em uma missa na Universidade de Nairóbi, o papa Francisco pediu “o fim da arrogância dos homens, que ferem ou degradam as mulheres”. Nesta quarta-feira, foi celebrado o Dia Mundial contra a Violência de Gênero, que tem especial relevância no Quênia, um país no qual cerca de 45% das mulheres sofreu algum tipo de maus-tratos físico ou sexual.

Essa foi a primeira missa do pontífice durante sua viagem pela África, que começou nesta quarta-feira. A última vez em que um papa visitou o Quênia foi em 1995, quando João Paulo II viajou até o país. O papa Francisco ainda deve passar Uganda e a República Centro-Africana.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês