Clique e assine a partir de 8,90/mês

Relatório da ONU traz provas do uso de gás sarin na Síria

Íntegra do documento será divulgada apenas nesta tarde. Até agora, não é possível saber se relatório apontou os culpados pelo massacre de civis

Por Da Redação - 16 set 2013, 12h22

O relatório da equipe da Nações Unidas que investigou o ataque contra civis na periferia de Damasco em 21 de agosto só será divulgado na tarde desta segunda-feira. Mas uma foto em que o investigador-chefe da missão, Ake Sellstrom, aparece entregando o documento ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez com que parte do relatório se tornasse pública antes disso. O documento confirma uso de gás sarin no massacre, que matou ao menos 1 400 pessoas, segundo levantamento dos Estados Unidos. Na foto, Sellstrom aparece ao lado de Ban. Ao aumentar a imagem, é possível ver que o relatório afirma que projéteis contendo “o agente nervoso sarin foram utilizados” no ataque.

“As amostras ambientais, químicas e médicas que coletamos fornecem provas claras e convincentes de que foguetes com gás sarin foram usados em Damasco em 21 de agosto”, diz o texto, segundo a Associated Press. A íntegra do documento vai ser divulgada nesta tarde. A coleta de evidências pelos investigadores da ONU ocorreu no final de agosto, cinco dias após a divulgação das primeiras notícias do ataque.

Leia também:

Até a Rússia concorda com punição se Assad descumprir acordo, diz Kerry

Entrega de arsenal não acaba com luta armada, diz líder dos rebeldes

Relatório sobre uso de armas químicas na Síria já está nas mãos do secretário-geral da ONU

O regime do ditador Bashar Assad e os rebeldes do país vêm se acusando mutuamente pelo ataque. Já os Estados Unidos acusam o regime de ter feito uso do gás – o que provocou ameaças de uma intervenção militar na Síria.

Infográficos

Cronologia: o emprego de armas químicas e os esforços para bani-las

Continua após a publicidade

Conheça os principais ataques com armas químicas empreendidos ao longo da história e as tentativas de bani-las do front

A França e a Grã-Bretanha também afirmam não ter dúvidas de que o ataque foi perpetrado por tropas de Assad. Apenas a Rússia, um aliado de longa data do ditador, culpou os rebeldes pelo ataque, afirmando que eles se apoderaram de projeteis químicos e fizeram uso deles para que os EUA interviessem na guerra civil da Síria, que se arrasta há mais de dois anos.

Na última semana, a Rússia apresentou e conseguiu emplacar um plano para que Assad entregue o controle de seu arsenal químico para uma comissão internacional, como forma de evitar uma retaliação militar por parte dos americanos.

Ataques – Também nesta segunda-feira, uma comissão da ONU que investiga crimes de guerra na Síria afirmou que está analisando catorze suspeitas de uso de armas químicas no conflito.

A comissão, chefiada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, afirmou que sua equipe não sabe quem foi o autor dos ataques nem o tipo de substâncias utilizadas. “Não estabelecemos as responsabilidades ou a natureza dos materiais que foram utilizados”, disse o presidente.

Em seu relatório anterior, a Comissão de Inquérito informou que investigava quatro casos de ataque químico (dois em março de 2013 e dois em abril de 2013).

A comissão, no entanto, se recusou a dizer quando exatamente aconteceu os outros dez casos, e apenas indicou que o total de catorze suspeitas foram registradas desde o início do mandato dos investigadores, em setembro de 2011.

(Com agências EFE, Reuters e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade