Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Reino Unido envia armas antitanque à Ucrânia

Imprensa do Canadá também relata que o país está envolvido em suporte militar aos ucranianos

Por Duda Gomes Atualizado em 18 jan 2022, 17h13 - Publicado em 18 jan 2022, 17h00

O Reino Unido passou a fornecer armas à Ucrânia, em meio a preocupações de uma possível invasão da Rússia.

Acredita-se que o Canadá também enviou pequenas tropas especiais à Kiev.

Os desdobramentos ocorreram quando o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, rejeitou – indignado – as alegações dos Estados Unidos, na semana passada, de que Moscou estava preparando um pretexto para invadir a Ucrânia.

O encontro em Genebra entre líderes dos países acabou sem nenhum avanço.

A Rússia nega que pretenda atacar a Ucrânia, contanto que uma série de exigências sejam atendidas, como impedir que a OTAN aceite a Ucrânia no bloco. As tropas russas já contam com mais de 100 mil soldados próximos à fronteira com o país.

Além disso, a Rússia acusou a Ucrânia de planejar usar a força para recuperar o controle dos territórios comandados por rebeldes e apoiados pela Rússia, no leste da Ucrânia. As autoridades ucranianas negaram.

O secretário de Defesa, Ben Wallace, disse na segunda-feira (17), que o Reino Unido “tomou a decisão de fornecer à Ucrânia sistemas leves de armas defensivas antiblindagem”. As primeiras armas foram entregues no mesmo dia.

Ele também afirmou que um pequeno número de militares britânicos forneceria treinamento por um curto período de tempo, sem especificar o número e o tipo de armas que estavam sendo enviadas.

Continua após a publicidade

“Eles não são armas estratégicas e não representam ameaça para a Rússia. Devem ser usados ​​em legítima defesa”, disse Wallace.

“Elas são de curto alcance. No entanto, faria as pessoas pararem e pensarem no que estavam fazendo e, se os tanques rolassem para a Ucrânia, a invadissem, então eles seriam parte do mecanismo de defesa”, acrescentou.

Em um artigo publicado, Wallace falou sobre as alegações russas sobre a OTAN, dizendo que o grupo é “em sua essência, defensivo”.

“Ex-estados soviéticos não foram expandidos pela OTAN, mas aderiram a seu próprio pedido (…) O Kremlin tenta apresentar a OTAN como uma conspiração ocidental para invadir seu território, mas, na realidade, o crescimento do número de membros da Aliança é a resposta natural desses estados às suas próprias atividades e ameaças malignas”, escreveu ele.

O ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksii Reznikov, saudou o apoio do Reino Unido.

“Aprecio muito a decisão da Grã-Bretanha de fornecer um novo pacote de segurança com sistemas de armas leves, anti blindagem e defensivos!”, disse Reznikov em seu Twitter.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês