Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Reino Unido convoca embaixador iraniano após prisão de diplomata britânico

Acusado de incitar protestos contra o governo, o britânico Rob Macaire foi detido no sábado após atender a uma vigília

Por Da Redação - 13 jan 2020, 14h12

O Ministério de Relações Exteriores do Reino Unido convocou nesta segunda-feira, 13, o embaixador iraniano em Londres, Hamid Baeidinejad, para dar explicações sobre a detenção do embaixador britânico em Teerã, Rob Macaire, no sábado 11. Macaire alega ter sido preso por ter participado de uma  vigília em homenagem aos mortos do avião civil ucraniano abatido na última semana na capital iraniana que, depois, desdobrou-se em protesto contra o regime local.

O caso abriu um atrito diplomático entre Teerã e Londres. Segundo o chanceler britânico, Dominique Raab,  a prisão de Macaire foi uma “inaceitável violação da convenção de Viena”. As circunstâncias estão em investigação. O embaixador do Reino Unido será na tarde desta segunda-feira.

Macaire foi preso por suspeita de “organizar, provocar e dirigir ações radicais”. De acordo com a imprensa britânica, ele assistia a uma vigília para homenagear as vítimas da queda do avião ucraniano em Teerã. O diplomata foi libertado depois de uma hora e, pelo Twitter, defendeu-se das acusações dizendo que atendeu ao evento para prestar homenagem às vitimas, mas saiu do local assim que as palavras de ordem contra o governo começaram a serem entoadas.

O atrito entre Teerã e Londres ocorre em meio ao incidente em que o Exército iraniano, poucas horas após a represália contra uma base aérea que abriga tropas americanas, disparou um míssil terra-ar abatendo a aeronave civil e matando todos as 176 pessoas à bordo. Entre as vítimas estão britânicos, canadenses, iranianos e ucranianos.

Publicidade

Após três dias relutante em assumir a culpa, o governo iraniano veio à publico anunciar sua parcela de culpa. A opinião publica se voltou contra os governantes e protestos tiveram início ao redor do país. Enquanto isso, investigadores estrangeiros participam das investigações.

Publicidade