Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Rei emérito espanhol Juan Carlos está nos Emirados Árabes Unidos

Colocando fim a mistério, Casa Real da Espanha confirmou nesta segunda-feira a viagem do monarca envolvido em escândalo de corrupção

Por Da Redação Atualizado em 17 ago 2020, 14h03 - Publicado em 17 ago 2020, 13h41

Colocando um fim a um mistério que arrastou a monarquia para o centro de especulações, a Casa Real da Espanha anunciou nesta segunda-feira, 17, que o rei emérito Juan Carlos está nos Emirados Árabes Unidos.

“No dia 3 de agosto viajou para os Emirados Árabes Unidos e permanece lá”, afirmou um porta-voz da Casa Real à agência AFP. 

Especulava-se que o ex-chefe de Estado de 82 anos, que deixou a Espanha em exílio há duas semanas em meio a um escândalo de corrupção, poderia estar em Portugal ou na República Dominicana. 

Juan Carlos deixou o Palácio de Zarzuela no dia 2 e passou a noite na província de Pontevedra, na Galícia. No dia seguinte pegou um jato particular no aeroporto de Vigo até Abu Dhabi, onde permanece até hoje, segundo o comunicado da Casa Real.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista
Clique e Assine

Em uma carta publicada pela Casa Real em 3 de agosto, o rei emérito informou que abandonava a Espanha para “contribuir a facilitar o exercício das funções” de seu filho, o rei Felipe VI, no momento em que várias informações são reveladas sobre sua fortuna em contas secretas na Suíça.

O atual monarca da Espanha tem se distanciado de seu pai desde o início do escândalo. Já em março, Felipe renunciou à herança de Juan Carlos e revogou a pensão que o pai recebia de 194.000 euros (1,2 milhão de reais) dos cofres públicos por ano.

Continua após a publicidade

As contas estão sendo investigadas pela Justiça, tanto da Suíça como da Espanha. Até o momento, no entanto, Juan Carlos não é objeto de nenhum processo e um advogado do monarca afirmou que ele ficará à disposição da lei se for convocado.

O jornal ABC, próximo à monarquia, já havia mencionado a presença de Juan Carlos em Abu Dhabi, para onde teria viajado em um jato particular. De acordo com a publicação, ele estaria hospedado no hotel Emirates Palace, um complexo luxuoso à prova de paparazzi, onde teria a segurança fornecida por seu “amigo” Mohamed bin Zayed Al Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi.

O rei emérito mantém boas relações com as monarquias do Golfo e é justamente uma transferência de 100 milhões de dólares que, segundo revelou um jornal suíço, teria sido feita pelo rei Abdullah, da Arábia Saudita, que está no centro do escândalo que afeta Juan Carlos. A transferência para uma conta na Suíça teria ocorrido em 2008. 

Em gravações divulgadas pela imprensa espanhola em 2018, Corinna Larsen, ex-amante de Juan Carlos, afirmou que o rei emérito recebeu uma grande comissão após a concessão a empresas espanholas de um contrato para a construção de um trem de alta velocidade na Arábia Saudita em 2011.

  • Uma pesquisa publicada no domingo pelo jornal ABC, que entrevistou 800 pessoas, mostra que 56,2% dos espanhóis consideram equivocada a saída de Juan Carlos da Espanha, enquanto 25,4% consideram a medida acertada e 11,9% se declaram indiferentes.

    Juan Carlos chegou ao trono em 1975 após a morte do general Francisco Franco, com a promessa de levar a Espanha da ditadura franquista à democracia. A imagem pessoal de Juan Carlos já está abalada há anos, antes mesmo de sua abdicação. Em 2012, o rei emérito viajou junto com sua Corinna Larsen a Botswana para um safári de luxo pago por um empresário saudita, em meio à crise econômica na Espanha. Após o episódio polêmico, houve o escândalo de corrupção que levou seu genro Iñaki Urdangarin à prisão.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade