Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Refém ouviu atiradores de hotel no Mali conversarem em inglês

Homens armados invadiram estabelecimento de luxo na manhã desta sexta-feira e deixaram pelo menos três mortos. Ainda há reféns no local

Por Da Redação 20 nov 2015, 11h03

O cantor Sekouba ‘Bambino’ Diabate, da Guiné, que estava entre os reféns libertados de um hotel no Mali, afirmou que os atiradores que invadiram o local conversaram em inglês entre si. “Eu os ouvi dizerem em inglês: ‘Você a carregou?’ e ‘Vamos’. Eu não consegui vê-los porque nesse tipo de situação é difícil”, disse o cantor, segundo o jornal britânico The Guardian.

Na manhã desta sexta-feira, um grupo de homens armados abriu fogo contra o hotel de luxo Radisson Blu em Bamako, capital do Mali, deixando ao menos três mortos. O número exato de agressores não foi confirmado e ainda não se sabe quem foram os responsáveis pelo ataque.

Inicialmente, a empresa que administra o hotel afirmou que 170 pessoas estavam no local no momento da invasão. As forças especiais de segurança do país entraram no estabelecimento e libertaram reféns, mas ainda há pessoas dentro do hotel.

Outro refém que foi libertado disse à agência de notícias Reuters que algumas pessoas conseguiram sair do hotel após recitarem versos do Alcorão. Essas informações, porém, ainda não foram oficialmente confirmadas.

O Mali é uma antiga colônia francesa. Forças da França intervieram no país há dois anos para tentar expulsar terroristas islâmicos que tomaram conta da região norte. Cerca de 3.000 soldados foram enviados ao Mali em janeiro de 2013 para participar da missão de estabilização e auxiliar os militantes locais. Apesar disso, ainda há casos esporádicos de violência na área. De acordo com o exército francês, não há tropas do país atualmente no Mali.

No dia 13 de novembro, ataques terroristas reivindicados pelo Estado Islâmico (EI) deixaram 129 mortos em Paris. Após os atentados, o grupo vem divulgando vídeos nos quais ameaçam novos atos terroristas não só na França, mas também em países como Estados Unidos, Itália e Bélgica.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês