Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Refém holandês mantido no Mali desde 2011 é resgatado

Forças francesas resgataram Sjaak Rijke durante uma operação em um deserto no extremo norte do país

Por Da Redação 6 abr 2015, 15h08

Forças especiais francesas libertaram nesta segunda-feira um holandês que era mantido refém no Mali desde 2011, quando foi sequestrado por extremistas. Dois outros homens, um sul-africano e um sueco, também foram feitos prisioneiros na mesma ocasião, porém não existem informações sobre seu paradeiro.

Militares disseram que o resgate de Sjaak Rijke aconteceu às 5h da manhã desta segunda-feira durante uma operação em um deserto no extremo norte do país, e que vários militantes foram capturados. O comunicado divulgado hoje não diz quem mantinha Rijke como refém, porém o homem apareceu em um vídeo postado pela Al-Qaeda em novembro.

Rijke, um motoristas de trens de 58 anos, foi sequestrado pelos extremistas em novembro de 2011, quando estava num hotel em Timbuktu, juntamente com o sueco Johan Gustafsson e com o sul-africano Stephen Malcolm, que também tem cidadania britânica. Um alemão, que reagiu à captura, morreu durante o ataque. A França informou que após o resgate Rijke foi levado em segurança para uma base operada pelo país em Tassalit.

Leia também:

Al Qaeda invade cidade no Iêmen e solta 300 presos

Continua após a publicidade

Terroristas matam ao menos 70 estudantes no Quênia

Boko Haram sequestra centenas de pessoas em cidade no norte da Nigéria

“Esta é uma notícia fantástica para Sjaak e sua família. Estou feliz e aliviado com o fato de que esse terrível período de incertezas e tristezas tenha chegado ao fim”, declarou Bert Koenders, ministro de Relações Exteriores da Holanda, sobre o sucesso da operação. Ele informou também que Rijke está recebendo cuidados de funcionários da embaixada e de tropas holandesas no Mali, e que está bem, tendo em vista as circunstâncias.

O sequestro tem se mostrado um negócio lucrativo no Mali, em outros países da região do Sahel e também nas zonas de conflito na Síria e no Iraque. Os resgates têm rendido aos terroristas centenas de milhões de libras. Apesar de negar as acusações, Paris vem sendo recriminada por pagar para assegurar a liberdade de seus cidadãos. Oficialmente, essa foi a primeira operação de resgate realizada pelos franceses na região.

Forças da França interviram em Mali há dois anos para tentar expulsar terroristas islâmicos que tomaram conta do norte do país. Cerca de 3.000 soldados foram enviados ao país em janeiro de 2013 para participar da missão de estabilização e auxiliar os militantes locais.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês