Clique e assine a partir de 9,90/mês

Redistribuição de refugiados na UE não avança

Aprovada em setembro, política de realocação conseguiu atender apenas 1.500 imigrantes de uma meta de 20.000 estabelecida pelo plano

Por Da Redação - 18 Maio 2016, 19h44

Aprovada em setembro do ano passado, a política de realocação de refugiados na União Europeia está longe de cumprir suas metas. Dos 120.000 imigrantes que devem ser redistribuídos entre os Estados-membros do bloco até setembro de 2017, apenas 1.500 foram recolocados desde o fim do ano passado.

Além disso, o plano previa a realocação de 20.000 pessoas até maio de 2016, mas menos de 10% da meta foi cumprida até aqui. Os números foram divulgados nesta quarta-feira pela Comissão Europeia, o poder Executivo da EU. “É preciso fazer mais, e mais rapidamente. Devemos reagir à urgente situação humanitária na Grécia e impedir qualquer piora da situação na Itália”, disse o comissário europeu para Migração, Dimitris Avramopoulos.

Leia também:

Turquia vai dispensar vistos para países da UE

Continua após a publicidade

Quase 90 mil menores buscaram asilo na Europa em 2015

Secretário-geral da ONU critica políticas migratórias na UE

Até o momento, Áustria, Hungria e Eslováquia não oferecerem nenhum posto para acolher solicitantes de refúgio, enquanto Alemanha e Polônia não respeitaram a obrigação de indicar, a cada três meses, o número de pessoas que podem ser recebidas em seu território.

De qualquer maneira, a maioria dos países do bloco não demonstra empenho suficiente para implantar o plano. Croácia, República Tcheca, Alemanha, Holanda, Polônia e Espanha, por exemplo, disponibilizaram menos de 5% das vagas combinadas. Outros países que se recusam a aceitar imigrantes realocados são Bulgária e Estônia.

Continua após a publicidade

A política de redistribuição foi aprovada em setembro do ano passado e tem como objetivo dividir por toda a UE o “peso” do primeiro acolhimento a refugiados, hoje concentrado em Grécia e Itália, países que estão na linha de frente da crise migratória por estarem perto, respectivamente, da Turquia e da África.

No entanto, o plano enfrentou – e enfrenta – forte oposição do grupo Viségrad, formado por Hungria, República Tcheca, Eslováquia e Polônia.

(Com ANSA)

Publicidade