Clique e assine a partir de 9,90/mês

Rebeldes líbios oferecem recompensa por Muamar Kadafi

Conselho diz estar disposto a pagar US$ 1,7 milhão pelo ditador - vivo ou morto

Por Da Redação - 24 ago 2011, 11h01

O Conselho Nacional de Transição (CNT) anuncia uma recompensa de 1,7 milhão de dólares (mais de 2,5 milhões de reais) a quem encontrar Muamar Kadafi – vivo ou morto. “O CNT apoia a iniciativa de empresários que estão oferecendo dois milhões de dinares pela captura de Kadafi”, declarou Mustafa Abdel Jalil, nesta quarta-feira.

Cronologia – Relembre os fatos marcantes da revolta líbia

“Os membros do círculo próximo (a Muamar Kadafi) que o matarem ou capturarem terão anistia garantida pelo povo”, completou o presidente do CNT, durante uma entrevista coletiva à imprensa em Bengasi, enfatizando ainda que o regime do ditador não estará acabado enquanto ele não for encontrado. Ainda de acordo com ele, os soldados leais ao coronel continuam atacando de dentro do quartel-general de Bab al-Aziziya, em Trípoli, de onde Kadafi comandava a Líbia e que foi tomado pelo rebeldes na terça-feira.

Nesta quarta, os aliados do ditador atiraram ao menos dois morteiros contra Bab al-Aziziya, onde os insurgentes afirmam ter capturado importantes aliados do ditador. Contudo, não havia rastros de Kadafi ou seus familiares. “Os lealistas continuarão a atacar enquanto Kadafi não for capturado”, ressaltou Jalil.

Continua após a publicidade
Opositores celebram a tomada de Bab al-Aziziya, o quartel-general de Kadafi, em Trípoli
Opositores celebram a tomada de Bab al-Aziziya, o quartel-general de Kadafi, em Trípoli VEJA

Conflitos também aconteceram no aeroporto internacional de Trípoli, onde quatro rebeldes foram capturados e executados pelas forças do ditador. A forte resistência dos governistas nessa localidade levou os rebeldes a cogitar que talvez eles estejam protegendo alguma figura de peso do regime na região.

O CNT afirma que os rebeldes têm, agora, o controle de 90% da cidade e planejam transferir seus ministros de Bengasi a Trípoli.

(Com agências EFE e France-Presse)

Publicidade