Clique e assine a partir de 9,90/mês

Rebeldes explodem hotel que era usado como base militar

Grupo Frente Islâmica reivindicou ataque que também destruiu prédios próximos. Segundo Observatório Sírio, catorze militares foram mortos

Por Da Redação - 8 May 2014, 12h48

Uma bomba detonada por rebeldes sírios destruiu um hotel em Alepo que era utilizado como base militar pelas forças do regime Bashar Assad. A explosão provocada em um túnel cavado sob o hotel foi tão forte que edifícios próximos também ficaram destruídos.

O grupo Frente Islâmica assumiu a responsabilidade pelo ataque e divulgou vídeos da explosão na internet. As imagens mostram uma enorme coluna de fumaça e é possível ouvir vários tiros. Segundo os rebeldes, cinquenta soldados teriam sido mortos. Sediado em Londres, o Observatório Sírio de Direitos Humanos possui uma ampla rede de ativistas no país em conflito e fala em catorze mortos.

Leia também:

TV egípcia cita ‘Os Simpsons’ como prova de conspiração na guerra na Síria

Continua após a publicidade

EUA reconhecem coalizão opositora síria como “missão estrangeira”

Exército sírio retoma famosa fortaleza do tempo das Cruzadas

Até o início do conflito na Síria, o hotel Carlton era um dos mais refinados do país, informou a rede BBC. Ele estava localizado em um edifício construído há 150 anos na entrada de uma cidadela do século XIII que, junto com o restante da Cidade Velha, é considerada Patrimônio Mundial da Unesco.

https://youtube.com/watch?v=zJbeo5WE8tc%3Frel%3D0

A explosão desta quinta foi semelhante a um ataque realizado na terça nos arredores de Ma’arat al-Nu’man, no noroeste da província de Idlib, onde rebeldes plantaram explosivos em um túnel sob um posto de controle. O atentado deixou trinta membros das forças sírias mortos.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Rebeldes sírios são retirados da cidade de Homs

Alepo é uma das regiões mais disputadas entre as forças do regime e os grupos rebeldes ao longo dos três anos de conflito. Por esse motivo, a cidade histórica, cujas origens remontam a seis milênios antes da era cristã, também é uma das mais destruídas.

Publicidade