Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rebeldes criticam a ONU após novo massacre na Síria

Grupo opositor denunciou a morte de cem pessoas em Hula, na sexta-feira

O Conselho Nacional Sírio (CNS), principal grupo de oposição ao regime de Bashar Assad na Síria, pediu neste sábado a realização de uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU após o massacre de civis perpetrado na cidade de Hula, perto de Homs. Segundo o grupo, o ataque provocou a morte de cem pessoas.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram mais de 9.400 pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

“Algumas das vítimas foram atingidas por disparos de artilharia, outras, famílias inteiras, foram massacradas”, afirmou Bassma Kosmani, responsável por relações exteriores do CNS. O rebelde acrescentou que pelo menos metade dos mortos eram crianças.

O balanço de vítimas dado pelo CNS é o dobro do comunicado horas antes pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que falava em 50 mortos e centenas de feridos. “O CNS pede ao Conselho de Segurança da ONU que convoque uma reunião de emergência para estudar a situação em Hula e determinar as responsabilidades da ONU frente a estes massacres”, diz um comunicado.

Críticas – Se os grupos opositores divergem no número exato de mortos, eles concordam nas críticas à postura da ONU, incapaz de conter a violência no país. “É um verdadeiro massacre, que ocorre enquanto os observadores da ONU guardam silêncio”, denunciou Rami Abdel Rahman, chefe do OSDH. “Fala-se desde o meio-dia de bombardeios e nenhum observador com base em Homs se mexeu”, completou, questionando o papel dos inspetores das Nações Unidas mobilizados em abril para vigiar o cessar-fogo acordado na Síria – e violado diariamente desde a sua implantação.

Leia também: Exército sírio viola continuamente direitor humanos

(Com Agência France-Presse)