Clique e assine a partir de 8,90/mês

Rebekah Brooks diz que recebeu apoio de Cameron

Premiê teria enviado mensagem após demissão da ex-executiva da News Corp

Por Da Redação - 11 Maio 2012, 09h08

Rebekah Brooks, a ex-executiva-chefe da News International e ex-braço direito do magnata Rupert Murdoch, afirmou nesta sexta-feira ter recebido, de forma ‘indireta’, uma mensagem de apoio do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, quando pediu demissão do cargo de conselheira da News International devido ao escândalo dos grampos ilegais. Com uma aparência mais confiante, Rebekah respondeu nesta sexta a um interrogatório da Comissão Leveson, que investiga o caso da espionagem jornalística na imprensa britânica.

Entenda o caso

  1. • O tabloide News of the World recorria a detetives e escutas telefônicas em busca de notícias exclusivas – entre as vítimas estão celebridades, políticos, membros da família real e até parentes de soldados mortos.
  2. • Policiais da Scotland Yard também teriam sido subornados para fornecer informações em primeira mão aos jornalistas.
  3. • O escândalo forçou o fechamento do jornal sensacionalista, que circulou por 168 anos e era um dos veículos do grupo News Corp., do magnata Rupert Murdoch.
  4. • Agora, a polícia investiga uso de grampos ilegais em outros jornais britânicos.

Leia mais no Tema ‘Grampos na Grã-Bretanha’

Em seu depoimento, a ex-diretora do tablóide sensacionalista The Sun e do extinto dominical News of the World disse que a mensagem que recebeu de forma indireta de Cameron pedia que ela ‘mantivesse a cabeça erguida’ após apresentar sua demissão. A conhecida jornalista também assegurou ter recebido mensagens similares do Ministério da Economia, de Relações Exteriores e de Interior, mas sempre de forma indireta, em clara referência de que tenham sido enviadas por intermediários.

“Recebi mensagens indiretos de alguns políticos, mas não diretamente. Eram de vários, alguns conservadores e um par deles políticos trabalhistas”, disse. Ao ser perguntada sobre de que outros políticos recebeu apoio, Rebekah afirmou que lhe chegaram mensagens do ex-primeiro-ministro trabalhista Tony Blair, mas não do sucessor dele, Gordon Brown. Sobre sua relação com Blair, Rebekah disse que lhe conheceu em 1995, depois que foi eleito líder do Partido Trabalhista e, a partir de então, seus encontros foram frequentes.

Rebekah Brooks pediu demissão no ano passado da filial britânica do império midiático de Rupert Murdoch, News Corporation, após o escândalo do News of The World, fechado em julho de 2011 por grampear os telefones de ricos e famosos. Ela chegou a ser detida duas vezes pelo caso, mas foi libertada após ser interrogada pela equipe que investiga o escândalo.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade