Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Raro caso de assassinato choca a Islândia

Corpo de mulher de 20 anos foi encontrado em uma praia do país; taxa de homicídio na Islândia é inferior a duas mortes por ano

A misteriosa morte de uma jovem chocou nos últimos dias a Islândia, país com taxa de homicídio inferior a dois assassinatos por ano.

A polícia islandesa investiga as causas da morte de Birna Brjansdottir, de 20 anos, cujo corpo foi achado em uma praia do país no último domingo. Ela ficou oito dias desaparecida até que a maior operação de buscas já realizada na Islândia, que incluiu 725 voluntários, descobriu o corpo da jovem em uma praia ao sul da capital Reykjavik.

Dois pescadores da Groenlândia, de 25 e 30 anos, foram detidos por suspeita de envolvimento no desaparecimento de Birna, que foi vista pela última vez após sair com os amigos para beber em um bar de Reykjavik, no dia 14 de janeiro. Naquela madrugada, câmeras de segurança registraram a imagem de Birna caminhando sozinha pelas ruas da capital islandesa.

Os sapatos da vítimas – embora não saiba a causa da morte, a polícia trata o caso como assassinato – foram encontrados no porto de Hafnarfjordur, próximo ao cais onde o barco dos dois pescadores estava atracado.

Câmeras de segurança também mostraram que um carro vermelho modelo Kia Rio, idêntico a um veículo que estava na área onde Birna foi vista pela última vez, estacionou próximo ao barco de pesca naquela madrugada. O barco zarpou poucas horas depois e foi interceptado por um helicóptero da polícia da Islândia.

Peritos encontraram sangue de Birna no interior do automóvel, que foi alugado pelos dois pescadores, segundo as autoridades.

Com 330.000 habitantes, a Islândia tem uma taxa anual de homicídio de 1,8 mortes desde 2001.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cláudio Moura

    Tinha Brasileiro visitando o país na época?

    Curtir

  2. Antonio Branco

    Taxa mede algo em relação a algo. Por exemplo 2 mortos por 100,000 habitantes. Assim, 2 mortes por ano não é taxa, gente. Chamem os universitários.

    Curtir