Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rand Paul é o segundo republicano na corrida à Casa Branca

O senador pelo Estado do Kentucky é um dos líderes do movimento conservador Tea Party

(Atualizado às 16h18)

O senador republicano Rand Paul, conservador e precursor do movimento Tea Party, anunciou nesta terça-feira sua candidatura oficial para disputar a indicação de seu partido na corrida pela Casa Branca nas eleições de 2016. “Hoje eu anuncio, com o apoio de Deus e de todos os amantes da liberdade, que eu estou me candidatando à presidência dos Estados Unidos da América”, disse Paul, em um comício realizado em Louisville, Kentucky, Estado do centro do país pelo qual foi eleito senador.

Antes do ato político, Paul havia escrito em seu site que desejava “ser presidente para que nosso país retorne aos princípios da liberdade e de um governo limitado”. Nos próximos dias, Paul visitará estados que inaugurarão em 2016 a temporada de primárias, como Iowa, Carolina do Sul e Nevada.

Há duas semanas, o republicano Ted Cruz anunciou sua candidatura às primárias e em breve Jeb Bush deve entrar na corrida pelo mesmo partido, que faz oposição ao presidente democrata, Barack Obama. Jeb é irmão do ex-presidente George W. Bush e filho do também ex-presidente George Bush.

Leia também

Senador Ted Cruz dá início à corrida presidencial nos EUA

Rand Paul processa Obama, mas é acusado de roubar ação

Estado mínimo e direitos individuais: libertarianismo cresce na política dos EUA

Aos 52 anos, Paul, adepto do libertarianismo, se apresenta como a encarnação de “um novo tipo de republicano” e buscará os votos dos ultraconservadores nas primárias, mas sem esquecer dos jovens, das minorias e dos centristas, em um difícil exercício de equilibrismo.

Filho de Ron Paul, ex-congressista e candidato presidencial, Rand foi apontado como a primeira opção dos conservadores americanos reunidos na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), no final de fevereiro passado. A votação da CPAC é vista como um termômetro sobre como a base conservadora avalia quem a pode representar nas eleições, mas não aponta necessariamente o candidato presidencial do Partido Republicano.

(Da redação)