Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rajoy enfrenta desafio para formar governo na Espanha

Os partidos de esquerda do país, o socialista PSOE e a formação Podemos, já anunciaram que votarão contra Executivo liderado pelo atual primeiro-ministro

O primeiro-ministro da Espanha, o conservador Mariano Rajoy, tem a partir desta segunda-feira a difícil missão de tentar formar um governo, apesar da vitória de seu partido, Partido Popular, nas eleições legislativas. O resultado deixou o partido conservador com 123 cadeiras – para obter a maioria absoluta, o PP precisava de 176. O socialista PSOE ficou em segundo lugar, com 90 vagas. “Confusão geral” e “Governo no ar” eram algumas das manchetes da imprensa espanhola, enquanto a Bolsa de Madri operava em queda.

Na noite de domingo, Rajoy afirmou para centenas de simpatizantes reunidos na frente da sede do seu partido que tentaria formar um governo. Contudo, os dois grandes partidos de esquerda do país, o socialista PSOE e a formação antiausteridade Podemos (69 cadeiras no Parlamento), anunciaram nesta segunda-feira que votarão “Não” a um Executivo liderado por Rajoy.

Leia também:

Eleições deste domingo podem mudar radicalmente quadro político espanhol

“O PSOE vai votar ‘Não’ ao PP e a Rajoy”, afirmou o porta-voz socialista, César Luena, cujo partido obteve 90 cadeiras no Parlamento. “Nem de maneira ativa, nem de maneira passiva, o Podemos vai permitir o governo do Partido Popular, nem com os votos a favor, nem com abstenções”, disse o líder do Podemos, Pablo Iglesias.

Com seus 123 deputados, o Partido Popular precisa de apoios para formar um novo Executivo em um Parlamento de 350 deputados, que deve votar a seu favor por maioria absoluta no primeiro turno ou por maioria simples em segunda votação. Se, ao fim de dois meses, ninguém conseguir formar o governo, novas eleições serão convocadas. O partido de centro ‘Ciudadanos’ já anunciou que seus 40 deputados devem abster-se, o que significa que a rejeição da esquerda, que soma 159 cadeiras, implica matematicamente no bloqueio da opção por Rajoy.

(Da redação)