Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Rainha retira títulos militares do Príncipe Andrew

Medida veio após justiça americana seguir com processo contra Andrew por abuso sexual

Por Duda Gomes Atualizado em 13 jan 2022, 15h39 - Publicado em 13 jan 2022, 14h53

A Rainha Elizabeth II removeu uma série de títulos militares e patrocínios reais do Príncipe Andrew, de acordo com comunicado pelo Palácio de Buckingham nesta quinta-feira (13).

A medida veio após a justiça dos Estados Unidos prosseguir com o processo contra Andrew por abuso sexual.

O Tribunal Federal de Nova York rejeitou um pedido do nobre para anular o processo de abuso sexual contra Virginia Giuffre nesta quarta-feira (12).

“Com a aprovação e o acordo da rainha, os patrocínios militares e reais do duque de York foram devolvidos à rainha”, disse o Palácio de Buckingham, em comunicado.

“O duque de York continuará a não assumir nenhuma função pública e está defendendo o caso como cidadão privado”, acrescentou.

A decisão da Rainha também irá retirar de Andrew o uso de “Sua Alteza Real” em nenhuma função oficial.

Continua após a publicidade

A mudança ocorre horas depois que mais de 150 veteranos militares escreveram à rainha para pedir que ela retirasse Andrew de seus cargos militares honorários. Eles afirmaram estar “chateados e com raiva”.

Em carta aberta, membros importantes do serviço militar disseram que era “insustentável” para o duque de York manter sua posição.

“Se este fosse outro oficial militar de alto escalão, é inconcebível que ele ainda estivesse no cargo”, dizem eles na carta.

O Palácio havia dito anteriormente que as nomeações militares do duque estavam suspensas depois que ele deixou as funções públicas em 2019.

O príncipe enfrenta um processo de abuso sexual, acusado por Virginia Giuffre de ter sido obrigado a ter relações sexuais com ele quando tinha apenas 17 anos. Ele nega as acusações.

Seus advogados tentaram a anulação do processo, afirmando que Giuffre havia assinado um acordo em 2009, que o libertava.

A justiça de Nova York negou a anulação do processo.

Continua após a publicidade

Publicidade