Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Quênia anuncia morte de todos os terroristas que atacaram hotel

Mais de 40 pessoas continuam desaparecidas depois de atentado do Al-Shabab a complexo comercial e hoteleiro de Nairóbi

Por Da Redação Atualizado em 16 jan 2019, 18h34 - Publicado em 16 jan 2019, 14h20

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, declarou nesta quarta-feira, 16, que estão mortos todos os terroristas do Al-Shabab responsáveis pelo atentado no complexo comercial e hoteleiro de Dusit, em Nairóbi, segundo a rede de televisão CNN. No ataque, realizado na manhã de terça-feira 15, pelo menos catorze pessoas foram mortas e mais de quarenta continuam desaparecidas.

“A operação de segurança no complexo de Dusit terminou, e todos os terroristas foram eliminados. Catorze vidas inocentes foram perdidas pelas mãos desses assassinos, terroristas”, declarou Kenyatta.

O ataque provocou comoção e preocupação da comunidade internacional. Entre as vítimas fatais estão o cidadão americano Jason Spindler, co-fundador e diretor-gerente da I-DEV International, empresa de consultoria em estratégia de negócios para mercados emergentes. Também foi confirmada a morte de um britânico, segundo a CNN.

O ataque foi orquestrado por um número ainda não divulgado de terroristas do Al-Shabab, que assumiu a autoria. Câmaras de segurança mostraram três militantes armados, vestidos de preto e com seus rostos cobertos. O alvo foi um complexo de hotel, shopping center, bancos e escritórios de Nairóbi.

Durante o ataque, mais de 700 pessoas saíram desesperadamente do edifício, muitas com a ajuda das forças de segurança quenianas. Houve pelo menos duas explosões e tiroteios durante horas.

O presidente Kenyatta destacou o trabalho das forças de segurança, desafiadas nos últimos cinco anos por outros dois atentados de grande magnitude – ambos cometidos pelos extremistas do Al Shabab. Em 2013, o atentado no shopping center Westgate provocou a morte de 67 pessoas. Dois anos depois, o ataque à Garissa University matou 148 pessoas, estudantes em sua maioria.

“A prioridade operacional dos serviços de segurança foi a salvaguarda das vidas dos civis”, afirmou o presidente queniano. “Para ter retirado 700 pessoas daquele lugar, (as forças de seguranças) terão compreendido e imaginado o que estava acontecendo lá”, elogiou o secretário-geral da Cruz Vermelha no Quênia, Abbas Gullet.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)