Clique e assine a partir de 9,90/mês

Quatro réus são condenados à morte por linchamento de afegã

Farkhunda foi espancada até a morte por uma multidão em Cabul depois de ser acusada injustamente de queimar o Corão

Por Da Redação - 6 May 2015, 18h26

A Justiça do Afeganistão condenou quatro homens à morte por terem participado do linchamento de uma mulher acusada de queimar o Corão. Farkhunda, de 27 anos, foi espancada até a morte por uma multidão em Cabul, no dia 19 de março deste ano.

As sentenças foram anunciadas depois de quatro dias de julgamento. Outros oito réus foram condenados a 16 anos de prisão e dezoito acusados foram absolvidos. A decisão sobre o destino de dezenove policiais que não agiram em defesa da vítima deve ser anunciada no próximo domingo.

Imagens gravadas com celular e divulgadas em redes sociais mostraram a inação que policiais presentes no momento da agressão. A mulher foi chutada e espancada com pedaços de pau antes de ter o corpo arrastado por um carro, jogado de uma ponte e queimado.

Leia também:

Continua após a publicidade

Mulher é morta por se casar contra a vontade da família

Afegã é induzida a se casar com seu estuprador

Entre os condenados à morte está um mulá que discutiu com Farkunda no dia do crime e a acusou de queimar o Corão – durante o julgamento, alguns dos acusados afirmaram terem agredido a mulher movidos pelas declarações do mulá, informou a rede britânica BBC.

Irmão da vítima, Muyibullah lamentou as penas aplicadas aos réus. “Milhares de pessoas estavam envolvidas no assassinato da minha irmã e o tribunal só condenou quatro. Queremos que tribunal revise a decisão e julgue mais pessoas envolvidas”.

Continua após a publicidade

“Anunciar um veredicto contra trinta envolvidos em acusações tão graves em um processo de três dias levanta sérias dúvidas sobre a imparcialidade [da decisão]”, declarou à agência France-Presse Heather Barr, representante da ONG Human Rights Watch.

Em um país assolado pela guerra e onde episódios de violência são comuns, a agressão contra Farkhunda chocou por ter ocorrido no centro da capital afegã e diante dos olhos da polícia.

(Da redação)

Publicidade