Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Quatro pontos-chave do discurso de Joe Biden ao Congresso

A pandemia foi um dos primeiros tópicos abordados e, assim como em outros eventos, o vírus desempenhou um papel importante na organização do discurso

Por Julia Braun 29 abr 2021, 10h10

Na véspera de completar 100 dias de governo, o presidente Joe Biden fez seu primeiro discurso no Congresso dos Estados Unidos. Durante o pronunciamento de quase uma hora, o democrata celebrou as quase 220 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 aplicadas até agora e falou com otimismo sobre suas promessas de redução da pobreza, criação de empregos e acesso igualitário à educação, saúde e infraestrutura.

“Depois de apenas cem dias, posso dizer à nação: os EUA estão em movimento novamente, transformando perigo em possibilidade, crise em oportunidade, recuo em força”, afirmou no plenário da Câmara.

Estes foram os pontos-chave e momentos mais marcantes do discurso de Joe Biden:

Pandemia e otimismo

A pandemia de Covid-19 foi um dos primeiros tópicos abordados e, assim como em todos os eventos da Presidência de Biden até agora, o vírus desempenhou um papel importante na organização do discurso. A sala principal do Congresso americano, que geralmente fica lotada durante o pronunciamento de um chefe de Estado, não estava nem perto de sua capacidade total.

Apenas 200 pessoas foram autorizadas a comparecer pessoalmente desta vez, embora mais de 1.600 pessoas geralmente assistam aos discursos presidenciais em tempos normais.

Mas, apesar da crise econômica e sanitária, Biden tentou imprimir otimismo em seu discurso e celebrou os avanços na campanha de vacinação. O novo governo americano aplicou mais de 200 milhões de doses em 100 dias, mais que o dobro do que tinha prometido inicialmente.

De acordo com o governo, 90% dos americanos têm um posto de vacina a até cerca de 8 km de casa. O presidente pediu à população que vá tomar o imunizante: “Todos acima dos 16 anos, todos, podem se vacinar. Então vá tomar a vacina já”.

“Os EUA estão emergindo de novo. Escolhendo a esperança em vez do medo. A verdade acima das mentiras. A luz sobre as trevas. Após 100 dias de recuperação e renovação, os EUA estão prontos para decolar”, disse.

Aumento de impostos aos mais ricos

Joe Biden também se concentrou em vender seus grandes planos de investimento em programas sociais e reforma da infraestrutura dos EUA. Entre os projetos está um programa de 1,8 trilhão de dólares (cerca de 9,8 trilhões de reais) para apoio a famílias que têm crianças pequenas e educação, e um pacote de estímulos de 1,9 trilhão de dólares, para medidas de auxílio contra a crise causada pela pandemia da Covid-1

Continua após a publicidade

O presidente americano também falou sobre o plano trilionário de geração de empregos, segundo ele, o maior desde a Segunda Guerra Mundial, que irá ajudar o país na recuperação da crise econômica gerada pela Covid-19.

Todos esses planos dependem do aumento de impostos sobre os mais ricos. A ideia do governo de Biden é aumentar a maior alíquota de imposto de renda de 37% para 39,6%, uma medida que afetará americanos que recebem mais de 400.000 dólares ao ano.

Já para os que ganham mais de 1 milhão de dólares, o democrata pretende aumentar a taxa sobre ganhos de capital e dividendos de 20% para 39,6%. O presidente ainda quer ampliar a vigilância da Receita Federal para auditar as pessoas de alta renda.

“É hora de as corporações americanas e o 1% mais rico dos americanos pagarem sua parte justa”, disse Biden. O presidente enfatizou que sua proposta de reforma tributária ajudaria a “recompensar o trabalho, não a riqueza” e afetaria “três décimos de 1% de todos os americanos”.

Bipartidarismo

Outro ponto importante abordado por Joe Biden foi a importância do bipartidarismo para que suas propostas sejam aprovadas e o país caminhe rumo ao crescimento. O presidente sabe que enfrentará resistência no Congresso para colocar em prática suas políticas de justiça social, imigração e luta contra a mudança climática, e por isso mesmo aproveitou um momento para fazer o chamado pela união.

Biden pediu que os deputados e senadores americanos o apoiem em sua proposta de revisão da legislação policial para impedir novos casos de racismo e violência, e também advogou em prol de leis mais rígidas para o controle de armas.

“Gosto de me encontrar com aqueles que têm ideias diferentes”, disse Biden, em resposta às críticas aos seus planos de infraestrutura e educação. “Essas ideias são bem-vindas. Mas o resto do mundo não está à nossa espera. Só quero deixar claro que não fazer nada não é uma opção.”

Representatividade feminina

Talvez o momento mais significativo da noite, porém, aconteceu no início do discurso. Biden saldou a vice-presidente Kamala Harris e a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, relembrando a importância da presença feminina em postos de alto escalão.

Ao cumprimentar “a senhora vice-presidente e a senhora presidente da Câmara”, Biden acrescentou: “Nenhum presidente jamais proferiu essas palavras nesta tribuna. Nenhum presidente jamais proferiu essas palavras, e já estava na hora”.

Pela primeira vez na história americana, as duas pessoas sentadas atrás do presidente enquanto ele proferia esse tipo de discurso eram mulheres.

Continua após a publicidade

Publicidade