Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Quadros de Hitler vão parar em armazém na República Checa

Por Da Redação 1 mar 2012, 12h29

As autoridades da República Checa decidiram manter em um armazém uma coleção de 16 quadros que pertencia ao ditador nazista Adolf Hitler. Falta interesse artístico. “Não sabemos o que fazer com esses quadros. Por isso, os devolvemos ao armazém”, disse Marcela Joskova, a administradora do mosteiro de Doksany, ao norte de Praga, onde as telas foram descobertas.

O estado das obras, que foram expostas ao público na segunda-feira, é bom e sua temática é militar. Entre os quadros estão Lembrança de Stalingrado, pintado pelo alemão Franz Eichhorst (1885-1948). Outros dos artistas que fazem parte da coleção são Adolf Ziegler, Richard Klein, Sepp Hilz e Hermann Gradl.

Quadro que pertencia a Hitler, no mosteiro de Doksany, ao norte de Praga
Quadro que pertencia a Hitler, no mosteiro de Doksany, ao norte de Praga VEJA

As obras, adquiridas por Hitler na Alemanha em 1942 e 1943, foram transferidas à República Checa durante a ocupação nazista para protegê-las de possíveis ataques aéreos dos aliados. Jiri Kuchar, um historiador que procurou as obras de arte de Hitler em vários mosteiros do país durante cinco anos, afirmou nesta quinta-feira que os quadros encontrados poderiam ter um valor total de 2 milhões de euros.

Os quadros terão agora um destino similar ao de outras obras adquiridas por Hitler, que em sua juventude tentou ganhar a vida como pintor. “Cerca de 900 obras estão em um armazém de Spandau, na Alemanha, e não há interesse em expô-las, salvo em raras exceções”, disse Kuchar.

Nesse sentido, Marcela afirmou nesta quinta que a venda das obras “foi descartada”, já que para isso seria necessária uma autorização dos ministérios de Finanças e Cultura checos. Embora tenha pouco valor artístico, a coleção descoberta pertence à República Checa, já que após a Segunda Guerra Mundial passou a ser considerada como “despojo de guerra”. Segundo Kuchar, o estado alemão não tem interesse nessas obras, ‘nem mesmo o neto de um dos artistas’ da coleção.

Quadro de Hermann Gradl, que pertencia a Hitler, no mosteiro de Doksany, ao norte de Praga
Quadro de Hermann Gradl, que pertencia a Hitler, no mosteiro de Doksany, ao norte de Praga VEJA

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade