Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Putin demite ministro da Defesa que comandou invasão à Ucrânia

O economista Andrei Belousov substituirá o general Sergei Shoigu, envolto em polêmicas por corrupção de oficiais do exército

Por Da Redação
13 Maio 2024, 11h37

O presidente russo, Vladimir Putin, demitiu neste domingo 12 seu ministro da Defesa, Sergei Shoigu, que comandou a invasão à Ucrânia desde o seu início, em fevereiro de 2022. A mudança de gabinete ocorre em meio ao avanço das forças militares da Rússia no território ucraniano.

Em um anúncio inesperado, o Kremlin afirmou que Shoigu seria substituído por Andrei Belousov, economista e antigo vice-primeiro-ministro – uma troca de um general por um civil. Segundo o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a decisão de nomear um economista para o cargo visa minimizar os gastos com a guerra, que aumentaram para cerca de 7,5% do PIB nos últimos dois anos.

“É muito importante alinhar a economia de segurança com a economia do país para que corresponda à dinâmica do momento atual”, disse Peskov. 

O porta-voz do Kremlin também destacou que colocar um civil para liderar as forças armadas seria um passo importante para garantir que o Ministério da Defesa fosse mais “aberto a inovações e ideias avançadas”. “Quem estiver mais aberto às inovações será aquele que sairá vitorioso no campo de batalha”, afirmou.

Belousov possui uma carreira extensa e já ocupou os cargos de ministro da Economia, diretor do departamento de economia e finanças, conselheiro do presidente russo e, desde 2020, atuava como vice-primeiro-ministro.

Continua após a publicidade

Corrupção no exército

Shoigu, o ministro mais longevo da Rússia, era alvo de críticas por não interferir em um esquema de corrupção presente no exército russo. No mês passado, sua popularidade caiu ainda mais depois que seu aliado e vice-ministro da Defesa, Timur Ivanov, foi preso por suspeita de desvio de fundos. 

Putin, que tomou posse para seu quinto mandato na semana passada, indicou que seu antigo aliado assumirá o cargo de chefe do conselho de segurança da Rússia, atualmente ocupado por Nikolai Patrushev, ex-expião e conselheiro do presidente. A nova posição de Shoigu é considerada mais importante do que a que ele ocupava no Ministério da Defesa e, por isso, muitos críticos acreditam que sua demissão foi uma estratégia do chefe do Kremlin para blindá-lo contra acusações de corrupção.

O oficial do exército russo Valery Gerasimov, que possui um papel mais ativo no comando das forças do país, permanecerá na mesma posição. O novo cargo de Patrushev ainda não foi anunciado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.