Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Putin assina decreto que reconhece independência da Crimeia

Documento classifica região como “Estado independente e soberano”

Por Da Redação 17 mar 2014, 16h13

O presidente Vladimir Putin desafiou as sanções impostas por Estados Unidos e União Europeia e assinou um decreto reconhecendo a Crimeia como “um Estado independente e soberano”. A movimentação ocorre depois de a república autônoma declarar-se independente da Ucrânia e aprovar a anexação à Rússia em referendo. O decreto publicado na página do Kremlin na internet afirma que o reconhecimento tem como base “o desejo do povo da Crimeia”. As lideranças locais anunciaram um resultado para a consulta popular no estilo soviético: quase 97% dos votos.

Segundo a legislação russa, somente Estados independentes podem ser anexados ao país, informou o Wall Street Journal. Nesta terça, Putin deverá falar no Parlamento e a expectativa é que ele endosse a anexação da Crimeia. Alguns membros do governo em Moscou acreditam que o processo poderá ser concluído em poucos dias, apesar da oposição do governo interino da Ucrânia e de potências ocidentais.

Leia também:

Rússia e EUA não têm a mesma visão sobre crise na Ucrânia, diz chanceler

Continua após a publicidade

Crimeia pode vender empresa de energia para a Rússia

Conflitos entre grupos pró-Moscou e pró-Kiev deixam um morto em Donetsk

O documento pode ser o primeiro passo de Moscou no sentido de integrar de fato a Crimeia ao seu território – movimentação que enfrenta a oposição dos EUA e de países europeus, que consideram o referendo ilegal e impuseram sanções contra a Rússia – sanções que têm sido ignoradas por Putin.

O referendo foi convocado por autoridades pró-Moscou na península depois da destituição do presidente Viktor Yanukovich, que se seguiu a meses de protestos contra seu governo. Em Kiev, manifestantes ocuparam as ruas depois que Yanukovich preferiu se aproximar de Putin e abrir mão de um acordo de associação com a União Europeia.

Desde fevereiro, tropas russas tomaram controle da Crimeia, onde o país mantém uma base naval, em Sebastopol. A versão oficial do Kremlin é que as tropas são forças de autodefesa que não respondem diretamente ao controle russo.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade