Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pussy Riot: Putin diz que é preciso defender os religiosos

Presidente, no entanto, se negou a comentar a sentença imposta ao grupo punk

Por Da Redação - 6 set 2012, 09h39

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, comentou nesta quinta-feira, em entrevista a um canal russo, o caso envolvendo as cantoras do grupo punk Pussy Riot, que foram condenadas a dois anos de prisão por um ato de protesto contra o governo dentro de uma igreja. Numa tentativa de justificar o episódio, ele disse que é obrigação do estado proteger os sentimentos dos religiosos russos. “O país tem lembranças muito graves do período inicial do domínio soviético, quando um grande número de padres sofreu”, disse Putin, acrescentando que “muitas igrejas foram destruídas e todas as nossas crenças tradicionais sofreram danos enormes”.

Saiba mais: Putin sanciona lei que pune manifestantes contra o governo

O mandatário, no entanto, se negou a falar sobre a sentença imposta às integrantes do grupo durante sua participação no programa Russia Today. “Eu sei o que se passa com o Pussy Riot, mas estou totalmente fora da questão”, disse. Putin ainda destacou outros atos públicos promovidos pelo grupo, entre eles uma “orgia” praticada em um museu. “Acho que, já naquela ocasião, as autoridades deveriam ter prestado atenção nisso”.

Membros da oposição do país acreditam que a punição, que consideram “desproporcional”, faz parte de uma campanha de repressão. Diversos governos e personalidades, como Paul McCartney, Madonna, Sting e Yoko Ono, a viúva de John Lennon, também criticaram a sentença e manifestaram apoio ao grupo. O Kremlin, sede do governo russo, no entanto, diz que as denúncias estrangeiras são motivadas por razões políticas.

Continua após a publicidade

Histórico – No dia 17 de agosto, três membros do Pussy Riot, Nadezhda Tolokonnikova, 22 anos, Ekaterina Samutsevich, 30 anos, e Maria Alyokhina, 24 anos, foram condenadas por um tribunal a dois anos de reclusão por vandalismo e incitação ao ódio religioso, após proferirem uma “oração punk” contra o presidente na catedral de Cristo Salvador, em Moscou.

Assista a seguir o clipe da música que causou a condenação das cantoras e tradução da letra para o português:

Oração Punk

“Mãe de Deus, virgem, nos livre de Putin! Nos livre de Putin! Nos livre de Putin!

Continua após a publicidade

Veste negra, ombreiras douradas!

As crianças da paróquia rastejam para fazer reverência

O fantasma da liberdade está no céu

Os homossexuais se vão para a Sibéria

Continua após a publicidade

O líder da KGB é sua mais alta Santidade

Os manifestantes terminam na prisão

Para não ofender os santos

As mulheres devem parir e amar

Continua após a publicidade

Lixo de Deus, lixo, lixo! Lixo de Deus, lixo, lixo!

Mãe de Deus, virgem, torne-se feminista, torne-se feminista, torne-se feminista!

A igreja reverencia líderes podres, procissão de limusines pretas

Na escola, vem um pregador: vá à aula, traga dinheiro!

Continua após a publicidade

O patriarca acredita em Putin

Melhor seria acreditar em Deus!

O cinturão da virgem sagrada não impede as manifestações das massas

A virgem Maria está conosco nos protestos!

Continua após a publicidade

Mãe de Deus, virgem, nos livre de Putin! Nos livre de Putin! Nos livre de Putin!”

(Com Agências France-Presse e Reuters)

Publicidade