Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PSDB quer investigação contra Lula por tentar adiar processo do ‘Mensalão’

Brasília, 28 mai (EFE).- O PSDB anunciou nesta segunda-feira que pedirá a investigação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por exercer pressões sobre um juiz do Supremo Tribunal para tentar adiar o julgamento do ‘Mensalão’.

O senador Álvaro Dias (PSDB), que fez o anúncio, disse que encaminhará o pedido à Procuradoria Geral da República com base na reportagem publicada neste fim de semana pela revista ‘Veja’.

Segundo a publicação, o magistrado Gilmar Mendes, membro do Supremo, disse que se reuniu com Lula em abril onde surgiu uma conversa sobre adiar o processo do ‘Mensalão’, o maior escândalo do Governo Lula que envolve subornos a parlamentares e financiamento ilegal de campanhas.

Segundo a ‘Veja’, Lula pediu para o ex-ministro de Justiça Nelson Jobim marcar uma reunião com Mendes, que teria ocorrido em 26 de abril. No encontro, a revista destaca que o ex-presidente disse que seria melhor o adiamento do processo.

De acordo com os fatos relatados, Lula teria indicado que o julgamento realizado pelo Supremo começasse depois das eleições municipais previstas para outubro, aparentemente com a intenção de não manchar a imagem do PT. ‘Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações do ex-presidente Lula’, declarou Mendes, citado pela ‘Veja’.

O teor da conversa, segundo o ex-ministro Jobim, foi cordial e enquanto ele esteve presente não teve nada relacionado com o julgamento do ‘Mensalão’.

A suposta pressão de Lula despertou uma onda de críticas que foi além dos partidos de oposição. O presidente da Ordem de Advogados, Ophir Cavalcante, que divulgou uma nota na qual afirmou: ‘Se for confirmado o teor dessa conversa, se trata de um caso de extrema gravidade’. Na opinião de Cavalcante, o ex-presidente Lula deve explicações à sociedade.

O assunto também foi comentado no Supremo e o magistrado Marco Aurélio Mello considerou que, diante a gravidade dos supostos fatos é ‘necessário conhecer a verdade’. EFE