Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Protestos na Venezuela diminuem 80% desde julho

Entre as razões para a calmaria está a frustração com a oposição e a brutalidade da repressão estatal

Por Da Redação - Atualizado em 31 ago 2017, 12h07 - Publicado em 26 ago 2017, 08h00

Desde que a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) foi instalada, em 4 de agosto, os ânimos das ruas da Venezuela esfriaram bastante.

Segundo o Observatório Venezuelano de Conflitividade Social, o número de protestos caiu 80% em agosto se comparado com o mês de julho, que registrou cerca de 1700 atos contra o governo.

Um dos motivos para a aparente calmaria é a frustração com a oposição, que foi incapaz de conter o nascimento de uma nova ditadura na América Latina por Nicolás Maduro.

“É possível que haja uma nova onda de protestos, porque há muita raiva e mal estar. Qualquer desencadeador, vai fazer as pessoas saírem às ruas de forma massiva, desde que haja uma liderança clara pedindo a saída deste governo”, afirma Erik Del Bufalo, professor de filosofia da Universidade Simón Bolivar.

Publicidade

Outro motivo foi a crueldade da repressão. Em pouco mais de quatro meses, 163 pessoas morreram e mais de 4 000 ficaram feridas nos embates com as forças de segurança, como a PNB, a Guarda Nacional Bolivariana (GNB), o Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) e os colectivos, grupos armados de civis.

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade