Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Promotoria argentina faz nova acusação contra Cristina Kirchner

Seguindo denúncia, ex-presidente teria alugado imóveis a empresários investigados pela justiça para encobrir pagamento de propina

Por Da Redação 3 Maio 2016, 08h58

A justiça da Argentina colocou sob a mira outra empresa da ex-presidente Cristina Kirchner por suas conexões com dois empresários envolvidos em casos de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O promotor federal Carlos Rívolo acusou nesta segunda-feira a ex-presidente e seu filho Máximo Kirchner, ambos titulares da companhia Los Sauces S.A., por supostos delitos de enriquecimento ilícito e falsificação de documentos públicos.

A causa é investigada pelo juiz federal Claudio Bonadío, o mesmo ante o qual Cristina compareceu há duas semanas para prestar depoimento sobre suposta fraude do Estado na compra de dólar futuro pelo Banco Central.

A Los Sauces foi constituída em 2006 pelo então presidente Néstor Kirchner, morto em 2010, para administrar as propriedades da família. A companhia tem como sócios Cristina e Máximo. Segundo a denúncia de uma deputada opositora, a empresa havia alugado imóveis a dois empresários muito próximos à família e que atualmente são investigados pelo exponencial crescimento de seus negócios durante o período dos Kirchner no poder.

Leia também:

Cristina Kirchner se recusa a responder perguntas de juiz, a quem chamou de ‘incompetente’

Continua após a publicidade

Cristina Kirchner será investigada em escândalo de lavagem de dinheiro

Um desses é Lázaro Báez, que ampliou sua fortuna graças a obras públicas e está detido desde o início de abril sob suspeita de lavagem de 5,1 milhões de dólares (cerca de 18 milhões de reais). O outro cliente dos Kirchner na Los Sauces é Cristóbal López, que tem negócios nas áreas de cassinos, petróleo e meios de comunicação. Ele é investigado por suposta evasão de 550 milhões de dólares (cerca de 1,9 bilhões de reais) ao fisco.

Para a deputada Margarita Stolbizer, do partido de centro-esquerda GEN, que apresentou a denúncia em abril, esses alugueis na realidade encobriam pagamento de propinas aos Kirchner por favorecimento em licitações de obras públicas e outros negócios.

Máximo e Cristina, presidente argentina entre 2007 e 2015, são investigados também por negócios imobiliários de outra empresa, a Hotesur, a partir de uma série de irregularidades detectadas em seus registros contábeis. Também foi comprovada uma relação comercial desta empresa com Baez.

Nem Cristina nem Máximo se pronunciaram sobre a acusação.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)