Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Promotores querem pena de morte para atirador do Colorado

James Holmes matou 12 pessoas ao abrir fogo dentro de um cinema

Por Da Redação - 1 abr 2013, 15h15

Os promotores do caso do atirador do Colorado rejeitaram fechar acordo com a defesa de James Holmes e anunciaram que vão pedir a pena de morte para o acusado de matar 12 pessoas em ataque a um cinema em julho de 2012. Na sexta-feira, os advogados de Holmes disseram que ele se declararia culpado para tentar evitar a pena de morte. “Para James Eagan Holmes, justiça é a morte”, disse o advogado George Brauchler, do condado de Arapahoe, durante audiência nesta segunda-feira.

Leia mais:

Atirador é descrito como um jovem solitário

Saiba quem são as 12 vítimas do ataque no Colorado

Publicidade

Holmes, de 25 anos, é acusado de múltiplos assassinatos e tentativas de homicídio. Ele abriu fogo em um cinema no Colorado, nos Estados Unidos, durante uma sessão do filme ‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’. Depois do ataque, foi preso sem resistência no estacionamento do local. O caso entrou para o rol dos ataques mais violentos dos Estados Unidos nos últimos tempos.

De acordo com o jornal americano The New York Times, a decisão dos promotores foi tomada depois de consultas a dezenas de vítimas e suas famílias. Pierce O’Farrill, atingido por três tiros, disse a agência Associated Press que gostaria de seguir em frente com sua vida. “Pode demorar 10 ou 15 anos antes de ele ser executado. Eu já terei cerca de 40 anos e eu planejo ter uma família, e é difícil ter de olhar para trás e reviver tudo”.

Depois da rejeição do acordo – que ainda pode ser reconsiderado até o início do julgamento -, espera-se que os advogados de Holmes aleguem que seu cliente tem uma doença mental. Após o ataque, o jovem teve uma consulta com um psiquiatra da Universidade do Colorado, onde estudava. Esses registros, algum histórico de doenças mentais ou mesmo a análise do computador de Holmes podem se tornar peças centrais do julgamento. Investigadores do caso já disseram que o acusado estava guardando armamentos e munição antes do ataque. Ele também armou para que seu apartamento explodisse, em aparente tentativa de atrapalhar a ação policial.

Legislação – Em março, o estado do Colorado criou uma nova legislação sobre armas para impor limites às lojas de munição e reforçar a verificação dos antecedentes de compradores. Nesta quarta-feira, o presidente americano Barack Obama irá a Denver para angariar apoio a um projeto de lei que faz parte de um pacote de medidas do governo para endurecer o controle de armas. O projeto foi criado depois do ataque a uma escola primária em dezembro, em Newtown, no estado de Connecticut.

Publicidade