Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Projetista de ponte que desabou em Gênova alertou sobre riscos há 40 anos

Segundo engenheiro, ponte já necessitava de reparos na época, devido à corrosão em sua estrutura

Por Da Redação Atualizado em 21 ago 2018, 17h35 - Publicado em 20 ago 2018, 13h07

O engenheiro Riccardo Morandi, projetista do viaduto que desabou em Gênova no dia 14 de agosto, advertiu em 1979 que a ponte necessitava de manutenção constante pela corrosão a que estava exposta como consequência do ar vindo do mar e da poluição.

Morandi escreveu um relatório, que foi publicado pelo jornal La Verità, no qual chamava atenção sobre a corrosão a que a obra estava exposta.

“Tarde ou cedo, e talvez dentro de alguns anos, será necessário recorrer a um tratamento para eliminar qualquer rastro de óxido nos reforços mais expostos, para depois cobrir tudo com elastômeros de altíssima resistência química”, advertiu no documento publicado há quase quarenta anos.

Morandi afirmou que a estrutura tinha sido construída em concreto sólido, mas que sofria uma degradação rápida como consequência da “alta salinidade” procedente dos ventos do mar, situado a apenas 2 quilômetros de distância.

Este ar, misturado com a fumaça das chaminés das fábricas industriais localizadas na redondeza, gerava uma deterioração dos materiais e uma “perda de resistência” que era preciso levar em conta.

Continua após a publicidade

“As superfícies externas das estruturas, mas especialmente as expostas ao mar e portanto mais diretamente atacadas pelos vapores ácidos das chaminés, começam a mostrar fenômenos de agressão de origem química”, comentava Morandi em seu relatório.

Finalmente, o engenheiro concluía insistindo na necessidade de proteger “a superfície de concreto, para aumentar sua resistência química e mecânica à abrasão” e sugeria usar “resinas e elastômeros sintéticos” para proteger esta ponte, que foi inaugurada em 1967.

O viaduto desabou em 14 de agosto deixando ao menos 43 mortos. As famílias das vítimas consideram a tragédia o resultado de negligência do governo.

Na semana passada, as autoridades italianas iniciaram os procedimentos para revogar a concessão da empresa responsável pela manutenção da autoestrada, a Autostrade per l’Italia.

A companhia tinha obrigação de cuidar da manutenção ordinária e extraordinária da estrada e pontes da autoestrada pela qual é responsável, segundo o governo. A operadora tem agora quinze dias para apresentar sua defesa antes da revogação da concessão.

A Autostrade per l’Italia pertence à Atlantia, empresa que é do mesmo grupo da marca de roupas Benneton.

(Com EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)