Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Programa que passou trote sobre Kate Middleton é extinto

Após ser enganada por casal de radialistas em dezembro, enfermeira se suicidou. Emissora substituiu programa por outro definitivamente

O programa de rádio australiano que passou um trote telefônico que levou ao suicídio de uma enfermeira em Londres foi extinto, indicou nesta segunda-feira a emissora. Jacintha Saldanha, 46 anos, trabalhava no hospital King Edward VII, onde Kate Middleton, a mulher do príncipe William, estava internada. Ela permitiu que o casal de apresentadores tivesse informações sobre sua situação por acreditar que fossem a rainha Elizabeth II e o príncipe Charles.

Leia também:

Jornais britânicos relatam tristeza de Kate após morte de enfermeira

Jacintha foi encontrada enforcada no dia 7 de dezembro, três dias depois de ter sido enganada por telefone pelos apresentadores do programa Hot 30. Eles queriam informações sobre Kate, internada com enjoos causados por sua gravidez.

Na manhã de 4 de dezembro, Jacintha passou a ligação a uma colega do serviço onde Kate se encontrava. Esta enfermeira deu informações sobre o estado de saúde da princesa aos apresentadores da emissora australiana, infringindo as regras de confidencialidade em relação aos pacientes.

Leia também:

Rádio doará seus lucros à família de enfermeira morta

Enfermeira vítima de ‘trote’ é enterrada na Índia

Ameaças – Os dois apresentadores, Mel Greig e Michael Christian, pediram perdão, entre soluços, e não voltaram a trabalhar na rádio desde a tragédia. Ambos receberam ameaças de morte.

Seu programa foi substituído por outro, The Bump, de forma definitiva a partir desta segunda-feira, indicou o grupo Southern Cross Austereo, proprietário da rádio 2Day FM.

Leia também:

Morte de enfermeira foi uma ‘tragédia’, diz dono de rádio

“Mel e MC continuam sendo assalariados e seguem de férias”, informou uma porta-voz da rede. “Discutiremos seu destino quando estiverem preparados”, informou o diretor do grupo, Rhys Holleran.

A entidade australiana reguladora dos meios de comunicação abriu uma investigação.

(Com agência AFP)