Clique e assine com 88% de desconto

Secretário de Justiça dos EUA acusa Trump de dificultar seu trabalho

'Não consigo fazer o meu trabalho com constantes comentários que me enfraquecem', disse William Barr sobre tuítes do presidente americano

Por Da Redação - Atualizado em 14 fev 2020, 09h30 - Publicado em 14 fev 2020, 09h29

O secretário de Justiça dos Estados Unidos, William Barr, acusou nesta quinta-feira, 13, Donald Trump de dificultar seu desempenho à frente do Departamento de Justiça, dizendo que os tuítes do presidente americano estavam tornando “impossível” o seu trabalho.

“Tenho problema com alguns dos tuítes”, disse Barr em entrevista à emissora ABC News, acrescentando: “Não consigo fazer o meu trabalho aqui no Departamento com constantes comentários que me enfraquecem”. “Acredito que seja a hora de deixar de tuitar sobre casos do Departamento de Justiça”, finalizou.

No próximo mês, Barr deve testemunhar diante do Congresso sobre a decisão, supostamente sob pressão de Trump, de rejeitar o que foi resolvido por seus próprios promotores e buscar uma sentença de prisão mais leve para o veterano consultor político republicano Roger Stone, que foi condenado por mentir em depoimento ao Congresso e manipular testemunhas.

Quatro promotores do departamento pediram demissão na última terça-feira em aparente protesto por interferência política. Trump nega que seus tuítes sobre o caso Stone, nos quais critica a sentença original de 87 a 108 meses de prisão dada a Stone e elogia Barr depois que a sentença foi reduzida pela metade, pressuponham interferência política.

Publicidade

Questionado sobre ter falado com Trump sobre o caso Stone, Barr respondeu: “Nunca”. “Estou feliz em dizer que, de fato, o presidente nunca me pediu nada sobre nenhum caso penal”, ressaltou.

Quanto a se estava preparado para a repercussão que terá caso fale algo contra o presidente, Barr respondeu: “Com certeza”. “Não serei intimidado ou influenciado por ninguém”, disse, “seja pelo Congresso, pelos jornais ou pelo presidente, vou fazer tudo que considero ser o certo”.

Stone, amigo de longa data, ex-assessor e conselheiro de campanha de Trump, pode pegar de sete a nove anos de prisão após ser condenado em novembro passado por mentir no Congresso sobre a investigação de interferência russa nas eleições de 2016 nos Estados Unidos.

Stone tem 67 anos e conhecerá sua sentença em 20 de fevereiro. Ele foi condenado por mentir ao Congresso sobre seus contatos com a organização WikiLeaks sobre o vazamento de e-mails democratas durante a última eleição presidencial.

Publicidade

(Com AFP)

Publicidade