Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Procurador-geral do Egito renuncia em meio a protestos

Desde que Mursi fez a troca, agentes judiciários protestavam contra nomeação

Por Da Redação 17 dez 2012, 18h35

O procurador-geral egípcio, Talaat Ibrahim, cuja nomeação foi feita há menos de um mês pelo presidente Mohamed Mursi, apresentou sua renúncia nesta segunda-feira. O motivo da demissão seria a “grande pressão” por parte dos opositores. A demissão de Ibrahim será apresentada ao Conselho Superior de Justiça no próximo domingo.

Desde o último 22 de novembro, agentes judiciários do país protestavam contra a nomeação de Ibrahim. Eles denunciavam que o fato de Mursi ter afastado o procurador anterior, Abdel Maguid Mahmoud, era um “assalto à independência do sistema judicial”. Mahmoud esteve em exercício por muitos anos durante o governo de Hosni Mubarak, derrubado no ano passado.

A troca de procuradores por Mursi acompanhava medidas que ampliavam seus poderes, com a justificativa de “proteger a revolução”. A demissão de Mahmoud seria uma tentativa de acalmar os protestos que pediam um novo julgamento de oficiais acusados de estarem envolvidos nos confrontos contra manifestantes na revolta do ano passado.

Saiba mais:

Saiba mais: ‘É hora de dar lugar para os mais jovens na política egípcia’

Referendo – A Frente de Salvação Nacional (FSN), que reúne a maior parte da oposição não islamita do Egito, convocou para terça-feira manifestações contra as irregularidades do primeiro turno do referendo sobre a Constituição egípcia, depois que os islamitas apontaram uma vitória do “sim” na primeira etapa votação, realizada em dez áreas do país, incluindo a capital, Cairo.

A Comissão Eleitoral disse que não divulgará resultados oficiais até a segunda etapa de votação, prevista para dia 22, que será aberta a eleitores de 17 regiões do país. Mas a FSN solicitou à comissão que estude o pedido de várias ONGs para repetir a primeira etapa. Os opositores também pedem uma investigação das 4.000 denúncias apresentadas pelos cidadãos e punição aos responsáveis.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês