Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Príncipe William trabalhará como piloto de helicóptero

Ele fará testes para ser contratado por uma empresa que opera aeronaves voltadas para o resgate de pessoas. O salário será todo doado para a caridade

Por Da Redação 8 ago 2014, 07h52

Mesmo com o nascimento do bebê George e as ocupações de quem está em segundo lugar na linha de sucessão ao trono da rainha Elizabeth II, o príncipe William comunicou nesta quinta-feira que pretende trabalhar como piloto de helicóptero. Apaixonado por aviação, ele disse que será contratado pela empresa East Anglian, especializada em operar aeronaves para o resgate de pessoas. Segundo o jornal The Guardian, William deve se juntar à frota da companhia na próxima primavera inglesa. Em setembro, ele começa a receber um curso de pilotagem civil e treinamento para atender chamadas de emergência.

Leia também:

Príncipe Harry passa a noite em “freezer” de treinamento

Tal pai, tal filho: foto mostra semelhanças entre William e George

William trabalhou até setembro do ano passado como piloto de busca e resgate da Força Aérea britânica (RAF). Após assinar o contrato do novo emprego, o príncipe se tornará o primeiro membro da família real na linha direta de sucessão ao trono a trabalhar como um civil. O salário recebido na East Anglian será doado por inteiro para instituições de caridade.

Um porta-voz disse que William “estava determinado a dar um passo seguinte” em sua carreira como piloto. Mas, por ter formação militar, ele terá de completar cinco meses de treinamentos civis, seguidos por catorze provas e um teste de voo. O primeiro posto a ser ocupado pelo príncipe será o de copiloto, com a oportunidade de ser promovido a comandante assim que o período de preparação for finalizado.

Sediada na cidade de Cambridge, onde o príncipe mora com a mulher Kate Middleton e o filho George, a companhia East Anglian opera apenas dois helicópteros e emprega seis pilotos no total. William estará encarregado de pilotar um modelo EC145 T2, trabalhando diretamente com os médicos que atenderão emergências na região. Elas podem variar de ataques cardíacos a acidentes na estrada. Patrick Peal, chefe executivo da empresa, afirmou que a contratação do príncipe será importante para trazer novas doações à organização. “Estamos agraciados pelo fato de contarmos com diferentes tipos de suporte, mas levantar fundos é sempre um desafio. Esperamos ganhar 7,5 milhões de libras por ano para continuar salvando vidas, e estou certo de que a vinda de William ampliará as ações de caridade.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês