Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Primeiro-ministro da França apresenta sua renúncia

O demissionário Jean-Marc Ayrault será substituído por Manuel Valls, atual ministro do Interior

O primeiro-ministro da França, o socialista Jean-Marc Ayrault, apresentou nesta segunda-feira sua renúncia ao presidente François Hollande, reporta o Le Monde. Ayrault será substituído pelo atual ministro do Interior, Manuel Valls. Nascido em Barcelona e naturalizado francês em 1982, Valls é um político popular até entre eleitores de direita, apontam pesquisas. Hollande fará ainda nesta segunda um pronunciamento explicando as trocas ministeriais. Neste domingo, o Partido Socialista (PS) sofreu uma histórica derrota nas eleições municipais francesas.

Mesmo com os resultados finais do segundo turno não consolidados, já é possível afirmar que o PS perdeu ao menos 155 prefeituras em cidades com mais de 9.000 habitantes, informa a rede BBC. Destas administrações municipais, 140 foram para as mãos da União para um Movimento Popular (UMP), coligação de direita que tem entre seus expoentes o ex-presidente Nicolás Sarkozy. A UMP tirou os prefeitos socialistas de cidades altamente simbólicas, como em Toulouse – a quarta maior da França – e Limoges, que desde 1912 era comandada pela esquerda.

Leia também

Extrema-direita conquista prefeitura simbólica na França

Sarkozy vai processar quem divulgar conversas privadas

Polícia francesa prende braço-direito e assessor de Sarkozy

Em outras catorze cidades, os vencedores foram candidatos da Frente Nacional (FN), partido de extrema-direita comandado por Marine Le Pen. A FN comemorou o “melhor resultado de toda sua história” nas eleições municipais, segundo o vice-presidente da FN, Florian Philippot. Marine Le Pen, presidente e filha do criador do FN, Jean-Marie Le Pen, explicou que, além das prefeituras, o partido elegeu “cerca de 1.200 vereadores municipais”.

Falando sobre os resultados na noite deste domingo, Ayrault, comentou a derrota do PS e fez uma mea culpa ao admitir que a “mensagem clara” dos eleitores “tem de ser ouvida”. As eleições “foram marcadas pela indiferença significativa dos que nos deram sua confiança em maio e junho de 2012”, quando os socialistas ganharam a presidência e o Parlamento, completou.

Na capital, depois de uma disputa acirrada, Anne Hidalgo, do PS, se elegeu com 54,4% dos votos e será primeira mulher a comandar a prefeitura de Paris. Ela derrotou a candidata da UMP, Nathalie Koschiusko-Morizet. Filha de um casal de espanhóis exilados, Anne nasceu na França, mas só obteve cidadania francesa aos 14 anos. Carismática e extrovertida, ela é considerada uma das apostas para o futuro do Partido Socialista.

Saiba mais

Como um caso de amor pode ajudar Hollande (e a França)

Com uma taxa de abstenção considerada elevada (38%), os eleitores franceses penalizaram o governo comandado por Hollande pelo mau desempenho econômico do país. A França ostenta hoje uma taxa de desemprego acima de 10%, uma das mais altas de sua história, totalizando mais de 3,3 milhões de pessoas sem ocupação. Além da dificuldade de criar empregos, o governo francês também não consegue fazer com que a economia do país volte a crescer com vigor – depois de amargar uma recessão, o país registrou apenas 0,3% de crescimento em 2013.