BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana
Continua após publicidade

Primeira missão da ONU na Síria estará completa e ativa na próxima semana

Por Da Redação
20 abr 2012, 11h40

Genebra, 20 abr (EFE).- A primeira missão de 30 observadores da ONU na Síria para verificar o cessar-fogo estará completa e ativa na próxima semana, anunciou nesta sexta-feira, em entrevista coletiva, Ahmad Fawzi, porta-voz do enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan.

O porta-voz explicou que, por enquanto, há sete observadores na Síria com outros dois chegando na próxima segunda-feira. O resto se somará ao grupo ao longo da semana. ‘Não se trata só de enviar pessoas, mas veículos, material. Não é uma operação fácil, mas de muito risco’, assegurou.

Fawzi antecipou que a ONU está fazendo todo o possível para que os 300 observadores da segunda missão estejam prontos para partir à Síria dois ou três dias depois do Conselho de Segurança aprovar a resolução sobre seu desdobramento. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, solicitou na última quinta-feira ao Conselho que aprove uma resolução autorizando o desdobramento da segunda missão, mesmo sem o cumprimento total do cessar-fogo pelo regime de Bashar al Assad, em 12 de abril.

Fawzi disse que a situação no local não é boa e que o cessar-fogo é muito frágil. No entanto, defendeu o desdobramento completo da missão. ‘A cada dia há mortos, incidentes, por isso temos de fazer tudo o que esteja em nossas mãos’, acrescentou.

Consultado sobre o nível de cooperação recebida pela equipe de Annan na Síria, o porta-voz explicou que o regime ajudou ‘até certo limite’. ‘Durante as negociações houve o típico ‘tira e afrouxa’ mas achamos que as autoridades sírias realmente desejavam concluir o acordo’, precisou.

Continua após a publicidade

A equipe de negociadores de Annan conseguiu concluir na última quinta um acordo com o Governo sírio sobre os termos do protocolo que regerá a missão dos observadores e, posteriormente, o desdobramento do grupo, chamado de Mecanismo de Supervisão (UNSM).

Fawzi indicou que os observadores estarão desarmados e terão ‘liberdade total de movimento, poderão visitar todos os lugares, e falar com quem quiserem’. O porta-voz ainda destacou que a missão não acabou totalmente com a violência, mas já melhorou as condições locais. ‘O cessar-fogo é muito frágil, mas não vamos ficar parados à toa, olhando’, concluiu Fawzi.

Enquanto isso, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) anunciou nesta sexta que 61 mil sírios abandonaram suas casas desde que começou o conflito há mais de um ano. A Turquia é a nação vizinha com o maior número de refugiados, 24 mil, seguida do Líbano com 21 mil, Jordânia, com 13,7 mil, e Iraque, com 2,4 mil.

O Acnur também alertou para o chamado humanitário lançado pela ONU para cobrir as necessidades de assistência na Síria, que só obteve 20% (US$ 15,6 milhões) dos US$ 84 milhões solicitados. Dessa forma, a operação está em ‘crítica’ situação. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A melhor notícia da Black Friday

Assine VEJA pelo melhor preço do ano!

BLACK
FRIDAY

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana

a partir de R$ 1,00/semana*
(Melhor oferta do ano!)

ou

BLACK
FRIDAY
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

a partir de R$ 29,90/mês
(Melhor oferta do ano!)

ou

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
*Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.