Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Prévias em Indiana podem ser decisivas para confirmar indicação de Trump

Caso vença nas prévias desta terça, magnata aumentará consideravelmente chances de ser o escolhido republicano para disputar a Presidência dos EUA

As prévias desta terça-feira, no Estado americano de Indiana, podem ser fundamentais para que Donald Trump aumente consideravelmente suas chances de ser o candidato do Partido Republicano às eleições presidenciais. Ainda comemorando a vitória em cinco Estados do Nordeste do país na semana passada, o magnata espera que um novo êxito coloque a seu alcance a marca de 1.237 delegados necessários para confirmar seu nome na chapa da legenda.

Leia também:

Trump acusa China de comércio desleal contra os EUA

Entenda as eleições primárias americanas

Obama, o piadista, tira sarro de Trump em jantar

Pesquisas sugerem que Trump terá uma vantagem de dois dígitos sobre Ted Cruz, senador do Texas que vem fazendo campanha em Indiana desde meados de abril. Cruz vem anunciando as prévias no Estado, um dos últimos grandes ainda na disputa pela oficialização do candidato à eleição, como seu momento para brilhar. Um fracasso nesta terça-feira seria especialmente devastador para o senador, que acredita que o seu tipo de conservadorismo religioso deve atrair os republicanos interioranos.

Cruz tem sido o adversário mais duro de Trump, mas ainda está bem atrás do bilionário na contagem de delegados – o magnata acumula 996, enquanto o senador tem 565. Para Cruz, vencer em Indiana, que soma 30 delegados, é decisivo para concorrer ao pleito de novembro sem depender de uma enorme virada.

Isso porque seu êxito pode impedir que Trump alcance o número exigido para ser o indicado do partido, forçando a realização de uma convenção em julho para decidir o escolhido do partido (o encontro é convocado quando nenhum dos pré-candidatos atinge o número mínimo de delegados).

Democratas – Nesta segunda-feira, Hillary Clinton, pré-candidata do Partido Democrata, iniciou uma viagem de uma semana pela região de Appalachia, nos Estados Unidos, onde há forte apoio a Trump. No primeiro dia, ela se reuniu com líderes sindicais e cerca de 600 trabalhadores que foram demitidos no ano passado, quando a AK Steel anunciou que iria desativar uma fornalha no leste de Kentucky.

Hillary tem grande vantagem sobre o senador Bernie Sanders na briga pela nomeação democrata e já está dando passos para tentar minar o apoio a Trump. O magnata acredita que sua campanha terá êxito junto aos eleitores em dificuldades econômicas. Ele e outros republicanos acusam o governo do presidente Barack Obama de travar uma “guerra contra o carvão” ao impor normas ambientais rígidas.

(Com Reuters)