Clique e assine a partir de 8,90/mês

Presos de Guantánamo estão em greve de fome há 50 dias

Dois iemenitas protestam desde que tiveram objetos pessoais confiscados

Por Da Redação - 31 mar 2013, 15h11

Os presos de Guantánamo em greve de fome “sentem a morte se aproximar”, disse o iemenita Abdalmalik Wahab, que passou 11 de seus 33 anos na prisão americana e que está há 50 dias em greve de fome para protestar contra a “profanação do Corão”, assim como seu compatriota Uthman Uthman, que já perdeu 20 quilos. Os dois prisioneiros, enfraquecidos pelo jejum e alimentados à força pelos militares da base naval americana em Cuba, conversaram na tarde de sexta-feira por telefone com seu advogado David Remes, que narrou à agência France-Presse o teor de sua conversa com cada um e algumas de suas declarações.

No dia 6 de fevereiro, durante uma inspeção de rotina, segundo as autoridades da prisão, os detidos tiveram alguns objetos pessoais confiscados e seus exemplares do Corão foram examinados de um modo que os presos consideraram “profanação religiosa”. A partir de então, Abdalmalik e Uthman mantêm uma greve de fome, à qual se somaram, de acordo com advogados, a grande maioria dos prisioneiros do campo 6 – que abriga cerca de 130 detidos, conhecidos por serem os mais “conciliadores”. Entre eles estão 86 homens considerados “liberáveis” pela administração de Barack Obama por falta de provas, entre eles 30 iemenitas.

Leia também:

Leia também: Preso morto em Guantánamo é um iemenita de 32 anos

Onde fica Guantánamo
Onde fica Guantánamo VEJA

Para David Remes, que defende 15 detidos, 13 deles grevistas, o movimento “não tem precedentes por sua amplitude, duração e determinação”. As autoridades militares informaram na sexta-feira que há 37 presos em greve de fome dos 166 detidos na prisão, um número que se multiplicou por quatro desde 11 de março.

Segundo o porta-voz da prisão, o capitão Robert Durand, 11 deles são alimentados à força, dois dos quais foram hospitalizados para serem reidratados e mantidos em observação. Uthman, de 45 anos, contou ao seu advogado como foi alimentado à força, sujeitado a uma cadeira de rodas e como vomitou sangue e perdeu a consciência.

Transferido há quatro semanas para o campo 5, onde estão detidos os prisioneiros punidos por indisciplina, Uthman recebe garrafas de água. Porém, advogados denunciam a falta de água potável e as temperaturas extremamente baixas impostas no campo 6 para quebrar a greve de fome.

Continua após a publicidade

As autoridades desmentem categoricamente essas denúncias em um processo em andamento em um tribunal de Washington. Uthman afirma que os detidos não confiam no novo comandante da prisão nem no Comitê Internacional da Cruz Vermelha, que chegou antes do previsto a Guantánamo devido à greve de fome e é a única organização autorizada a se reunir com os detentos da prisão americana.

Leia também:

Leia também: Prisioneiro mais jovem de Guantánamo segue para o Canadá

“Ninguém fala com eles”, afirmou Uthman a Remes. Os prisioneiros “sentem a morte se aproximar”, advertiu Abdalmalik ao seu advogado durante outra conversa. Segundo ele, apenas um acordo sobre a manipulação do livro sagrado os convenceria a voltar a se alimentar normalmente. “Queremos regras claras. Ninguém esconderia nada em seu Corão, mesmo que quiséssemos, porque a religião proíbe isso. Não quero que insultem (o Corão), preciso dele para viver”, acrescentou. De acordo com Abdalmali , os policiais que o examinam durante as inspeções fingem que são muçulmanos.

O advogado não descarta que um acordo semelhante seja insuficiente para outros prisioneiros, detidos em sua maioria há 11 anos sem acusações nem processo, enquanto Barack Obama não cumpriu a promessa de fechar a controversa prisão. “É a expressão máxima de seu desespero quando, para eles, se afasta qualquer perspectiva de sair em liberdade”, declarou David Remes. Para ele, o Pentágono deve respeitar sua vontade, e não alimentá-los à força. “Os detidos estão decididos a ir até o fim”, segundo o advogado.

Leia também:

Leia também: Guantánamo completa 10 anos – ainda longe de ser fechada

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade