Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente líbio diz que 50 pessoas foram presas por ataque

Atentado a consulado americano em Bengasi, ocorrido na última terça-feira, matou quatro pessoas – entre elas o embaixador dos EUA no país

O presidente da Líbia, Mohammed Magarief, afirmou neste domingo que cerca de 50 pessoas foram presas por conta do ataque ao consulado dos Estados Unidos em Benghazi, que resultou na morte do embaixador norte-americano no país, J. Christopher Stevens, e de outros três americanos.

Leia também:

Produtores de filme que satiriza Maomé são simpatizantes de religioso egípcio

Embaixador dos EUA morre em ataque a consulado na Líbia

Egito é um problema maior para a Casa Branca do que a Líbia

Segundo o presidente, a ação ocorrida na última terça-feira foi organizada por estrangeiros ligados à rede Al Qaeda . “Foi definitivamente planejada por estrangeiros, por pessoas que entraram no país há alguns meses e estavam pensando em atos criminosos desde que chegaram”, disse Magarief, acrescentando que alguns deles são do Mali e da Argélia.

O atentado aconteceu após a divulgação do vídeo ‘Innocence of Muslims’ (A Inocência dos Muçulmanos, em tradução livre do inglês), feito nos EUA, que retrata o profeta Maomé como um aproveitador. O filme provocou a ira de muçulmanos e uma onda de protestos e violência no mundo islâmico.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, condenou energicamente o ataque. Em comunicado, afirmou que os EUA estão ” de coração partido com esta perda terrível”. Em relação ao filme , a secretária de Estado disse que lamenta qualquer tentativa de denegrir outras crenças religiosas, mas acrescentou que “não há nenhuma justificativa para atos de violência deste tipo”.

(com agência Reuters)