Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Presidente do Peru renuncia 5 dias depois de ser empossado

Manuel Merino de Lama foi nomeado presidente após o impeachment de Martín Vizcarra na semana passada

Por Julia Braun Atualizado em 15 nov 2020, 15h06 - Publicado em 15 nov 2020, 14h59

Manuel Merino de Lama, que havia assumido o posto de presidente do Peru na última terça-feira 10, renunciou na manhã deste domingo, 15, depois de uma noite de protestos. Duas pessoas morreram durante as manifestações contra o governo de transição nomeado após a destituição de Martín Vizcarra.

O presidente fez um pronunciamento via televisão minutos depois que o Congresso do país se manifestou, pedindo pela decisão de abandonar o cargo, como forma de encontrar uma saída para a crise constitucional peruana.

“Quero tornar público para todo país que apresento minha renúncia”, declarou Merino, o que deflagrou uma celebração imediata nas ruas de Lima, um dia depois da violenta repressão a manifestações, com saldo de mais de 100 feridos.

O Congresso deve agora nomear um novo presidente, que consiga pacificar o país. O escolhido será o terceiro presidente em menos de uma semana, em um país duramente atingido pela pandemia do coronavírus e pela recessão econômica, que mergulhou em uma crise política quando o Parlamento removeu o presidente popular Martín Vizcarra em um julgamento a jato na segunda-feira.

Merino disse que, para que não haja “vácuo de poder”, os 18 ministros que ele assumiu na quinta-feira permanecerão no cargo temporariamente, embora praticamente todos tenham renunciado após a repressão aos manifestantes no sábado.

O fugaz governante anunciou sua renúncia pouco depois do meio-dia (14h em Brasília). O Congresso designará seu sucessor – escolhido entre os parlamentares – em uma sessão convocada para as 18h (20h em Brasília). Isso significa que, durante seis horas pelo menos, o Peru não terá presidente.

Continua após a publicidade

Crise política

Merino, assumiu a Presidência do Peru na terça-feira 10, depois que Martín Vizcarra sofreu impeachment por “incapacidade moral” devido a casos de corrupção, se tornando o terceiro político a assumir o cargo desde 2016, em um reflexo da fragilidade institucional do país. 

Como seus antecessores, Merino está envolvido em escândalos e é investigado por tráfico de influência. Supostamente, o discreto político teria facilitado contratos entre sua família e o governo.

O Congresso peruano já vinha pressionando por sua renúncia desde a noite de sábado, após a violenta repressão dos multitudinários protestos contra o atual governo em Lima e em outras cidades do país. Dez dos 18 ministros do gabinete de Merino renunciaram na noite de sábado.

A ação policial contra as manifestações tem sido duramente questionada pela ONU e por organizações de direitos humanos, como a Anistia Internacional, desde que começaram os protestos na terça-feira.

Até alguns jogadores da seleção peruana de futebol, concentrados para enfrentar a Argentina em Lima na próxima terça pelas eliminatórias para a Copa do Mundo Qatar-2022, publicaram nas redes sociais pedidos para que Merino recue. “Chega”, escreveu o meia Renato Tapia.

O prefeito de Lima, Jorge Muñoz, do Partido Ação Popular, o mesmo de Merino, também havia exigido sua saída.

(Com EFE e AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade