Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente do Irã diz ser “inaceitável” EUA saírem do acordo nuclear

França, Reino Unido e Alemanha lamentaram a decisão americana; regime de não proliferação está ameaçado, diz Macron

O presidente do Irã, Hassan Rohani, declarou nesta terça-feira 8 que é “inaceitável” os Estados Unidos se retirarem do acordo nuclear de 2015 porque o Irã cumpriu com seus compromissos.

“Não fizemos nada incorreto, e é inaceitável que os EUA se retirem”, disse Rohani em discurso televisionado, após a decisão anunciada pelo seu homólogo americano, Donald Trump, de deixar o pacto e voltar a impor sanções a Teerã.

Rohani disse que ordenou à Organização Iraniana de Energia Atômica que esteja preparada para adotar medidas caso seja “necessário”, incluindo o enriquecimento de urânio.

O presidente indicou também que, antes de tomar essas medidas, consultará os demais signatários do acordo nuclear para comprovar se os interesses do Irã estão garantidos apesar da retirada dos Estados Unidos do pacto.

Em seu anúncio sobre a decisão de sair do acordo, o presidente americano afirmou que os arquivos apresentados recentemente por Israel são “a prova definitiva” de que o Irã mentiu quando disse que seu programa nuclear tinha fins pacíficos.

“No coração do acordo com o Irã havia uma grande ficção: que um regime assassino só desejava um programa de energia nuclear pacífico. Hoje temos provas definitivas de que esta promessa iraniana era uma mentira”, afirmou Trump ao anunciar a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã assinado em 2015.

Reações

O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que França, Reino Unido e Alemanha lamentam a decisão americana de deixar o pacto. O presidente disse também que seu governo vai trabalhar em um acordo mais amplo cobrindo a atividade nuclear, o programa balístico e as ações regionais do Irã.

“Trabalharemos coletivamente em uma estrutura mais ampla, abrangendo a atividade nuclear, o período pós-2025, a atividade balística e a estabilidade no Oriente Médio, notadamente na Síria, Iêmen e Iraque”, disse Macron no Twitter momentos depois de Trump falar.

Macron também disse que o regime de não proliferação nuclear está em jogo.

(Com EFE)