Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Presidente deposto da Ucrânia vira foragido da Justiça

Alvo de protestos nos últimos meses, Viktor Yanukovich passa a ser procurado pelo 'assassinato em massa de cidadãos pacíficos', disse ministro do Interior

Por Da Redação 24 fev 2014, 05h56

O governo interino da Ucrânia emitiu na madrugada desta segunda-feira um mandado de prisão para o presidente Viktor Yanukovich, alvo de protestos nos últimos três meses que acabou destituído pelo Parlamento no sábado depois de ter abandonado o cargo. Segundo o Ministério do Interior ucraniano, foi iniciado um processo penal contra Yanukovich por “assassinato em massa” e emitida contra ele uma ordem de busca e captura. Desde que partiu da capital Kiev no sábado, ele foi visto na região da Crimeia, mas desde então seu paradeiro é desconhecido.

Em sua conta no Facebook, o ministro do Interior interino, Asden Avakov, afirmou que “foi aberto um processo penal por assassinato em massa de cidadãos pacíficos”. Ele escreveu ainda que o mandado de busca se estende a outros funcionários de alto escalão do antigo governo, cuja responsabilidade pelas mortes de dezenas de manifestantes e policiais nos conflitos da semana passada será apurada. Ao menos 82 pessoas, na contagem oficial do governo, morreram nos confrontos.

Leia também:

Em vídeo viral, jovem ucraniana diz que “povo quer ser livre”

Presidente interino diz que integração europeia é ‘prioridade’

Yanukovich enfrentou três meses de protestos depois de rejeitar, em novembro, um acordo de aproximação com a União Europeia e preferir estreitar os laços e receber ajuda financeira da Rússia. Após o dramático fim de seu governo, o Parlamento nomeou Oleksander Turchinov, braço-direito e confidente da oposicionista e ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko, presidente interino do país.

Timoshenko, presa desde 2012, foi libertada no sábado. Rival de Yanukovich, a ex-magnata do gás de 53 anos foi sentenciada em 2011 a sete anos de prisão por um acordo de gás que assinou com a Rússia quando era premiê – seus partidários afirmam, porém, que a verdadeira razão do processo contra ela tinha natureza política. A sua libertação define uma possível candidatura à Presidência.

O presidente destituído abandonou o cargo um dia depois de ter feito concessões e assinado um acordo com a oposição negociado por diplomatas europeus. Mas o pacto, que convocava eleições antecipadas até o fim do ano e retirava poderes do presidente, não foi o suficiente para apaziguar os manifestantes, que invadiram prédios públicos e exigiram sua renúncia. Yanukovich então partiu da capital Kiev. Ele dirigiu-se para o leste, onde denunciou o que chamou de “golpe de Estado”. Visto pela última vez na região da Crimeia, seu paradeiro é desconhecido.

Preocupações – O fim do governo de Viktor Yanukovich não diminuiu as preocupações de países ocidentais, que temem uma divisão da Ucrânia, um período perigoso de instabilidade política e uma reação imprevisível da Rússia. A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, anunciou uma viagem nesta segunda-feira a Kiev para discutir medidas a serem adotadas para encontrar uma solução política, no momento em que a Ucrânia está dividida entre o oeste pró-ocidental e o leste pró-russo. A Rússia, por sua vez, chamou seu embaixador na Ucrânia para consultas sobre a “deterioração da situação” na capital. (Continue lendo o texto)

Continua após a publicidade

​O chefe da diplomacia alemã, Frank-Walter Steinmeier, um dos ministros europeus que mediaram o acordo concluído entre Yanukovich e a oposição, pediu que “a filosofia daqueles que estarão no poder no futuro (em Kiev) não seja ditada, em primeiro lugar, pela vingança, mas pela garantia da unidade ucraniana”.

A preocupação dos europeus é compartilhada pelos americanos. A divisão da Ucrânia e a “volta da violência” não interessam aos Estados Unidos, à Rússia e a própria Ucrânia, afirmou neste domingo Susan Rice, assessora de segurança nacional do presidente Barack Obama. Consultada sobre o temor de uma intervenção militar russa na Ucrânia, Susan Rice simplesmente afirmou que “isto seria um grave erro”.

Saiba mais:

​Por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia?

Ucrânia, um país com um histórico de tragédias

Ameaça de calote – A União Europeia propôs a retomada do acordo de associação recusado por Yanukovich, que desencadeou a crise política. O Fundo Monetário Internacional indicou que está preparado para ajudar o país, assim como Washington, sem dar detalhes sobre valores ou condições.

No pronunciamento deste domingo, o presidente interino também afirmou que um dos desafios do próximo governo é estabilizar a economia, que ele disse correr risco de descumprir suas obrigações. A Ucrânia precisa de dezenas de bilhões de dólares este ano. O FMI estava prestes a conceder uma ajuda em troca de reformas drásticas que Viktor Yanukovich recusava, enquanto Moscou propunha uma ajuda de pelo menos 15 bilhões de dólares.

(Com Reuters, EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)